Centenas dançam em São Paulo pelo fim da violência contra a mulher

Centenas de pessoas dançaram e cantaram na tarde deste sábado (16) no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, durante a edição paulistana do protesto mundial contra a violência doméstica, chamado de “Um bilhão que se ergue” (One billion rising).

A 1ª edição da campanha na capital pediu pelo fim das agressões contra mulheres e crianças e pela igualdade de gênero. O nome do movimento faz referência ao número de 1 bilhão de mulheres que são maltratadas ou violentadas ao longo da vida, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

Ao som de tambores, pandeiros e berimbaus, os participantes fizeram uma grande roda que tomou quase todo o vão do museu e cantaram a canção “Maria Maria” de Milton Nascimento.

“Foi tudo organizado pelo Facebook. O formato da campanha inclui a dança para demonstrar que a mulher tem liberdade para se expressar, sem ser julgada”, conta uma das organizadoras Lenice Ferreira de Alencar, 22 anos. De acordo com ela, as duas páginas dedicadas ao evento na rede social somavam 1,8 mil presenças confirmadas.

Tradicionalmente, o evento acontece no dia 14 de fevereiro, quando se comemora o Dia de São Valentim – considerado o dia dos namorados em muitos países. No entanto, em São Paulo, os organizadores adiaram a manifestação para este sábado. “Durante a semana todos trabalham e tem muitos compromissos, então mudamos para o fim de semana”, explica Lenice.

“Escolhemos fazer um protesto com a arte para mostrar que a mulher tem o seu valor. É o corpo da mulher que sofre violência o tempo todo e é com o corpo que a gente se movimenta, que a gente dança. Ele tem que ser valorizado e não violentado”, afirmou a bailarina Jamila Hanan, que foi ao evento com roupas típicas utilizadas em danças indianas e ciganas.

A jornalista Angélica Kalil, 40, levou sua filha Tarsila, de cinco anos, para a manifestação. “Acho importante ela participar e ter essa lembrança. Acho que muitos casos de violência acontecem por falta de informação, então é importante que no futuro ela tenha consciência disso”, disse a mãe.

“A violência doméstica muitas vezes está ligada à falta de independência financeira. Por isso é importante que as elas busquem essa liberdade”, acredita a consultora Lênia Luz, que mantém um blog com histórias de mulheres empreendedoras.

Na quinta-feira (14), a campanha levou às ruas milhares de mulheres e homens em diversas partes do mundo, nos continentes asiático, europeu e americano. A campanha foi criada pela ativista Eve Ensler, autora da famosa peça “Monólogos da Vagina” (The Vagina Monologues).

Fonte: G1

 

+ sobre o tema

Ellen Page entrevista homem que afirma ser um policial carioca assassino de gays

Atriz canadense de Juno e A Origem definiu experiência...

Reflexões sobre a sexualidade e sensualidade negra

Pedaço de um papo instigado por amigas negras que...

Mulher é decapitada pelo namorado por causa de troca de mensagens no celular

Uma mulher foi assassinada a facadas pelo namorado, na...

Delegacia de Homicídios da Baixada acredita em crime de ódio

'Tudo indica que tenha sido um crime de ódio,...

para lembrar

Quem é Melly, cantora e compositora revelação do R&B nacional?

Com apenas 20 anos, ela surpreende pela maturidade vocal,...

UFMG recebe acervo com cópias completas de escritos de Carolina Maria de Jesus

Material será doado pelo o historiador José Carlos Sebe...

Por que o sucesso destas mulheres negras incomoda tanto?

Taís Araújo, Maju Coutinho, Cris Vianna e, agora, Sheron...

FMI e as mulheres: para além da Maria da Penha

Professor da Escola de Direito do Rio de Janeiro...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=