Comoção na África do Sul por estupro e assassinato de adolescente

O recente estupro colectivo e a atroz mutilação de uma adolescente que faleceu no sábado pouco depois da agressão sofrida em uma pequena localidade sul-africana desencadeou quinta-feira uma onda de protestos neste país onde incidentes
sórdidos são comuns.

Anene Booysen, de 17 anos, foi abandonada estripada em Bredasdorp (sudeste) no sábado passado, e faleceu depois de chegar ao hospital.

Segundo todos os indícios, foi estuprada por um grupo de homens.

Quinta-feira, a polícia informou que a investigação ainda está em andamento. A vítima pôde ver um de seus agressores antes de falecer. Dois suspeitos foram detidos.

“Primeiro a estupraram, depois arrancaram suas tripas até as pernas. Quebraram as duas pernas e todo o seu interior (…) estava fora, seus intestinos, seus pulmões, tudo”, declarou à AFP Pauline Harmse, a tia da adolescente, reproduzindo as palavras de sua cunhada, a mãe da vítima.

Um dos supostos agressores era um amigo da jovem e conhecido da família, disse.

Segundo uma jornalista da rádio pública SAfm, que falou com a mãe de Anene Booysen, a jovem estava tão mutilada que não a teria reconhecido sem seus sapatos.

“Quebraram todos os seus dedos, quebraram suas pernas, cortaram o estômago, era possível ver seus intestinos… também cortaram sua garganta”, disse a mãe.

Perguntada pela AFP, a porta-voz dos serviços provinciais de Saúde, Faiza Steyn, limitou-se a descrever os ferimentos como “horríveis”.

Este caso comoveu a África do Sul, onde, no entanto, as histórias de violência sexual enchem diariamente as páginas dos jornais.

“Toda a nação está indignada por este estupro extremo e pela destruição de uma jovem vida humana”, reagiu o presidente Jacob Zuma em um comunicado nesta quinta-feira.

“Este acto é chocante, cruel e profundamente desumano. Não tem espaço no nosso país”, disse, e apelou para que todos os tribunais pronunciem as penas mais pesadas possíveis contra os autores de estupros.

+ sobre o tema

Projeto aposta em livros para empoderar e atrair meninas para carreira científica

O projeto Meninas: arqueólogas, etnólogas, museólogas e o que mais...

Com música e bom humor, ‘Foo Fighters’ acaba com protesto homofóbico no Kansas

Dançando do alto uma caminhonete, os músicos da banda...

Pesquisa mostra que pastores raramente abordam o tema violência doméstica em seus sermões

A ocorrência de violência doméstica no meio cristão foi...

para lembrar

Indignada, Olívia Santana critica recrutamento de mulheres para o Carnaval

A secretária estadual de Políticas para as Mulheres, Olívia...

Cauã Reymond é uma travesti em clipe sobre tolerância

Poderia ser um post sobre representatividade, mas é só...

Mazza: ‘Quero morrer lutando pelo meu povo’

Mazza conta que seu objetivo sempre foi lutar contra...

Eu mulher negra, resisto!

O 25 de julho, marco internacional da luta e...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=