O baile de máscaras “Bem Te Viu, Bem Te Vê”, na Savassi – por Fátima Oliveira

Quem não foi, perdeu! O quarteirão do Ronaldo Fraga, emoldurado pelo lirismo do território da Savassi, virou um misto de Piazza de San Marco e Baile do Doge, o mais tradicional baile das máscaras de Veneza. A bióloga Ana Flávia Almeida & Companhia Ilimitada estão de parabéns pela concepção e realização da ideia. Estive lá, com a minha máscara de Colombina e uma peruca bem fashion, branca e lilás, bem veneziana, e me esbaldei de pular Carnaval até o último suspiro da banda Coceira no Bibico, que segurou a animação até 22h. Ficou um gostinho de quero mais… Eu ficaria ali até o sol raiar…

por Fátima Oliveira

O “Bem Te Viu, Bem Te Vê” foi uma bricolage de baile de máscaras e commedia dell’arte – “teatro popular improvisado e itinerante, de estrutura familiar, apresentado em praças e ruas, que começou no século XV na Itália e se desenvolveu na França até o século XVIII”. Scaramouche, Briguela, Isabela, Polichinelo, Capitão Matamoros, Pantaleone, Pierrô, Colombina, Arlequim (“Pierrô ama Colombina, que ama Arlequim, que também deseja Colombina”) são todos personagens que a commedia dell´arte celebrizou e eternizou…

Pela falta de petiscos e bebidas nas barraquinhas desde as 20h, fica explícito que a organização não esperava aquele mundaréu de gente! Lição para as próximas edições do baile de máscaras “Bem Te Viu, Bem Te Vê”, que caiu no gosto da classe média belo-horizontina. Tudo a ver com a origem do baile de máscaras, que, “introduzido pelo papa Paulo II, adquiriu força nos séculos XV e XVI, por influência da commedia dell´arte… O primeiro baile de máscaras de que se tem notícia no Brasil foi realizado no hotel Itália (Largo do Rócio, RJ), em 1840… De um lado, a festa de rua, ao ar livre e popular; do outro, o Carnaval de salão, que agradava, sobretudo, à classe média emergente no país”.

Imagina eu ali no “Bem Te viu, Bem Te Vê” pensando estar anônima! De repente aquela gritaria, em meio a risadas de médicos e residentes do Hospital das Clínicas: “É a Fátima! É a Fátima do PA, não é?”.

Cá com meus botões: essa meninada acha que eu nunca poderia estar aqui, é isso! Pensa que eu só sou trabalho, toureando em pronto-socorro entupido de gente (Padilha, meus sais!). Ufa! Respondi: “Ontem, era!”. Não teve jeito, tive de ficar foliando por ali… Já em casa, fiquei rememorando outros carnavais…

Repito: sou foliã do Carnaval de Sabará, talvez pela semelhança dos carnavais do meu tempo de Maranhão, antes da contaminação da carioquização (escolas de samba) e baianização (ritmo axé) dele:

“É o ar de festa do povo do lugar e os homens vestidos de mulher! No centro histórico, nas três praças da muvuca, quase toda casa vira uma venda de água, refrigerante, cerveja e de alguns `comes´; mulheres idosas nas janelas pulando Carnaval dentro de suas casas, na maior animação; e a criançada fantasiada, subindo e descendo as ruas, acompanhando os blocos, ao som das marchinhas de bandinhas que encantam serpentes… E eu, lá no meio da folia, sinto que todo mundo está ali pelo lúdico da vibração” (“O Carnaval de Sabará é mágico, caseiro e descontraído”, O TEMPO, 21.2.2012).

E bateu uma saudade imensa dos fofões do Carnaval maranhense, com seus macacões de chita de cores alegres, máscaras horripilantes, gracejando pelas ruas… A origem do fofão remonta à commedia dell´arte, mas não me perguntem como aportou e se fixou em São Luís, que não saberei responder…

Apenas que o fofão é personagem sagrado do Carnaval maranhense, desde que eu me entendo por gente…

Fonte: Tá Lubrinando

+ sobre o tema

O Brasil de Diogo e o Brasil de Luiza; por Wagner Iglecias

Wagner Iglecias A entrevista de Luiza Trajano ao Manhattan...

Mulher Negra Mostre Sua Cara

      Fonte: Polindo sentimentos

Dilma indica Luiz Fux para 11º vaga no STF

A presidente Dilma Rousseff indicou nesta terça-feira (1º/2) o...

para lembrar

Como movimentos similares ao Escola sem Partido se espalham por outros países

A disputa sobre o que deve ser ensinado nas...

Elizeth Cardoso, a voz divina da bossa nova

Cantora, mãe solo e divorciada na década de 1930,...

O desmonte do programa CULTURA VIVA e dos Pontos de Cultura sob o governo Dilma

Acaba de sair nova edição da revista Murro...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=