quinta-feira, junho 30, 2022
InícioEm PautaChefe da OMC vê caminho difícil para acordos comerciais em reunião global

Chefe da OMC vê caminho difícil para acordos comerciais em reunião global

Na abertura da 12ª Conferência Ministerial da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala falou em uma 'policrise' causada pela pandemia de Covid-19, a guerra na Ucrânia e crises de alimentos e energia

Fonte: G1

A diretora-geral da Organização Mundial do Comércio, Ngozi Okonjo-Iweala discursou na abertura da 12ª Conferência Ministerial da OMC, em Genebra, na Suíça, neste domingo (12), e mostrou otimismo cauteloso de que os 164 ministros do Comércio reunidos chegarão a acordos globais nesta semana, mas alertou que o caminho será turbulento e com obstáculos. 

A diretora-geral disse que o mundo mudou desde a última conferência de ministros da OMC, realizada há quase cinco anos. 

“Eu queria poder dizer que [mudou] para melhor. Certamente se tornou mais complicado”, disse ela em coletiva de imprensa antes da Conferência, que acontece de 12 a 15 de junho, listando a pandemia de Covid-19, a guerra na Ucrânia e as amplas crises de alimentos e energia como partes de uma “policrise”.

A diretora-geral da Organização Mundial do Comércio, Ngozi Okonjo-Iweala discursou na abertura da 12ª Conferência Ministerial da OMC, em Genebra, na Suíça, neste domingo (12), e mostrou otimismo cauteloso de que os 164 ministros do Comércio reunidos chegarão a acordos globais nesta semana, mas alertou que o caminho será turbulento e com obstáculos. 

A diretora-geral disse que o mundo mudou desde a última conferência de ministros da OMC, realizada há quase cinco anos. 

“Eu queria poder dizer que [mudou] para melhor. Certamente se tornou mais complicado”, disse ela em coletiva de imprensa antes da Conferência, que acontece de 12 a 15 de junho, listando a pandemia de Covid-19, a guerra na Ucrânia e as amplas crises de alimentos e energia como partes de uma “policrise”.

Já foi apresentado um projeto de declaração ministerial, que promete “tomar medidas concretas” para facilitar o comércio e melhorar o funcionamento dos mercados, “incluindo os de grãos e fertilizantes”. O texto afirma que priorizará países de menor poder aquisitivo.

Sobre a crise alimentar, o vice-ministro russo, Vladimir Ilichev, pediu a seus colegas que analisem a situação de maneira “objetiva e equilibrada”, com a promessa de que a Rússia terá participação “ativa e responsável” para abastecer o mercado mundial de alimentos.

Antes da fala de Ilichev, mais de 50 países prestaram solidariedade à Ucrânia em declaração conjunta, dirigida ao representante comercial ucraniano, Taras Kachka.

No rol da crise alimentar, a pesca também é uma questão fundamental, em particular devido à tentativa de eliminar os subsídios que podem incentivar práticas ilegais vinculadas à pesca.

Artigos Relacionados
-+=