China indeniza mulher forçada a abortar de 7 meses

Caso criou polêmica em torno de política do filho único no país 
PEQUIM – Depois de ser obrigada a abortar grávida de sete meses e chocar a opinão pública com imagens junto ao feto, a chinesa Feng Jianmei foi indenizada em US$ 11 mil (R$ 23,2 mil), com base em um acordo extraoficial pactuado entre a família e as autoridades.

A quantia foi revelada nesta quarta-feira pela imprensa estatal do país asiático, que afirmou que a família aceitou o dinheiro “para poder voltar à vida normal”, segundo explicou o marido de Feng, Deng Jiyuan, ao jornal “South China Morning Post”.

O advogado da família, Zhang Kai, confirmou que se trata de um acordo extraoficial feito com o governo do distrito de Zenjia, na província de Shaanxi. Segundo Zhang, o pacto foi firmado na noite de terça-feira. Após o acordo, a família retirou o processo que buscava uma compensação do Estado.

Para a opinião pública, o dinheiro recebido na indenização “não é suficiente” para compensar o que a vítima, de 29 anos, passou. Feng teve que abortar por não ter como pagar uma multa imposta pela China. O país, que tenta controlar o fluxo de natalidade, cobra uma multa de cerca de 40.000 iuanes (R$ 12 mil) de famílias que tiverem mais de um filho, com base em uma política vigente na China desde 1979.

Feng já teve alta do hospital e está se recuperando. Não se sabe se a família voltou para sua cidade natal, onde no mês passado sofreu pressão por parte de autoridades municipais.

A repercussão internacional do caso foi provocada pela difusão das imagens da mãe na internet, enquanto o marido revelou que Feng foi detida por três dias, forçada a abortar e, posteriormente, a assinar um documento de consentimento.

Diante da repercussão e da atitude das autoridades chinesas – que pediram um perdão público à mãe e demitiram três funcionários-, o advogado da família acredita que os abortos forçados “vão diminuir” na China, já que o regime comunista “irá tomar mais cuidado, devido à influência do caso”.

No entanto, o acordo entre família e autoridades afirma que “nenhuma das duas partes voltará a formular queixas sobre o sucedido”, segundo publicou nesta quarta-feira a agência oficial “Xinhua”

 

Fonte: Estadão

+ sobre o tema

Mulheres negras, deficiência e invisibilidade – Por: Jarid Arraes

Cerca de 40% das mulheres com deficiência já sofreram...

“Xica”: palimpsesto e fúria encarnada sobre a Gamboa

Em “Black Women Against the Land Grab” Keisha-Khan Perry...

Perfis no Twitter ridicularizam campanha que denuncia primeiro assédio sexual

A campanha #PrimeiroAssedio foi criada com o objetivo de...

para lembrar

11 lésbicas que fizeram história e que você provavelmente não conhece (mas deveria)

Quando pensamos em mulheres lésbicas norte-americanas, possivelmente pensamos em...

Editorial Terra de Direitos: Um Supremo Tribunal Federal diverso fortalece a democracia

Com a aposentadoria de Rosa Weber, a terceira mulher...

Ministra Anielle Franco fala sobre racismo em cargos públicos e defende mulher negra no STF: ‘Ia ser histórico’

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, afirmou nesta quinta-feira...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=