Dilma X Serra: Choque de biografias

Por: Fernando de Barros e Silva

 

SÃO PAULO – O discurso eleitoral do PT já se fixou em torno da comparação entre os governos de Lula e FHC. Simplificado ao máximo, ele insiste na ideia de que “eles” (tucanos) governavam para os ricos, e “nós” (petistas) governamos para os pobres (ou para todos).

 

Essa estratégia está em curso e foi usada de maneira ostensiva no programa de TV petista, no final do ano passado. Dizer, à moda tucana, que o mundo real é mais complexo ou que tudo na vida é “um processo” pode até sensibilizar a USP, mas dificilmente vai atrair os votos que importam.

O mote do contra-ataque que o PSDB ensaia na verdade é outro. Interessa aos tucanos contrastar as biografias, não os governos. Serra contra Dilma, e não Lula contra FHC. É o que fez no domingo o cientista político Sergio Fausto, diretor-executivo do iFHC, no artigo “Liderança à altura”, publicado em “O Estado de S. Paulo”.

 

Lá, Fausto diz que Serra, ao contrário de Dilma, é alguém “cuja liderança não terá de ser forjada a golpes de marketing eleitoral”, pois já “precede a sua candidatura”. O tucano teria, além da legitimidade formal para governar, que se conquista nas urnas, uma “legitimidade substantiva”, que “só a biografia política pode conferir”.

 

Sobre Dilma, o tucano questiona: “Que cargos eletivos disputou? Quando e onde foi testada nas habilidades que se requerem de uma pessoa que almeja ocupar o principal cargo político do país?”. Diante da temeridade de enfrentar Lula, o PSDB busca descredenciar sua pupila. Vejam -dizem eles- o “artificialismo” dessa candidatura, que nasce da escassez de nomes no PT.

 

É um argumento válido. Mas alguém deve perguntar se o fenômeno Gilberto Kassab não é uma liderança sem “legitimidade substantiva”, forjada “a golpes de marketing”? A não ser que os tucanos digam que a Prefeitura de São Paulo é desimportante e qualquer um pode ocupá-la, ainda precisam defender a escolha da “Dilma de Serra”, inclusive debaixo d’água.

 

 

Fonte: Folha de S. Paulo

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

O Brasil de Diogo e o Brasil de Luiza; por Wagner Iglecias

Wagner Iglecias A entrevista de Luiza Trajano ao Manhattan...

para lembrar

LITERATURA: 5º FAN 2009

OMO-OBA: HISTÓRIAS DE PRINCESAS Kiusam Oliveira OS NOVES...

Edgar Morin: demônio é sempre o outro

Morin filósofo, sociólogo, antropólogo e historiador e autor de...

Combate à desigualdade exige mudanças estruturais

Oxalá em 2012 haja maior participação popular nas mobilizações...

Produção de Madonna cancela encontro com AfroReggae, diz coordenador

Fonte: Folha OnLine-O coordenador da ONG AfroReggae, José Júnior,...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=