Cientista de computação, Nina da Hora relata caso de racismo sofrido em livraria do Leblon

No Twitter, pesquisadora afirmou ter sido seguida por segurança da loja; rede respondeu que está 'tentando entender o que aconteceu' e que não compactua 'com nenhuma prática discriminatória'

Referência na área da Ciência da Computação aos 26 anos, Ana Carolina da Hora, conhecida como Nina da Hora, ocupa boa parte do seu tempo livre em livrarias. Nesta quinta (3), na companhia da irmã, ela foi à Travessa do Shopping Leblon, uma das poucas lojas da rede que ela não conhecia na cidade. Segundo relatou à noite em seu perfil no Twitter, no qual é seguida por mais de 50 mil pessoas, o passeio e a compra terminaram em um caso de racismo.

Nina escreveu que um segurança começou a segui-las ostensivamente na livraria, e que, em determinado momento, “se debruçou em cima dos livros a ponto de eu pedir pra ele me dar licença pra eu continuar olhando”. Freguesa de outras unidades da rede, como a de Botafogo, Nina percebeu a intimidação e comentou com a irmã em voz alta o valor da última compra feita na livraria, de R$ 1,6 mil. Segundo ela, só assim o segurança deixou o local em que as duas estavam.

Ao finalizar as compras, no valor de R$ 1.328, Nina pediu para falar com a gerente. De acordo com seu relato no Twitter, a funcionária não teria tomado nenhuma atitute quanto ao ocorrido, sem dar ao caso a devida gravidade. Ao invés disso, a primeira abordagem teria sido perguntar onde a cliente morava.

— Eu estava em Botafogo, mas e se dissesse que sou de (Duque de) Caxias? Mudaria alguma coisa em relação ao que ocorreu na loja? — questiona Nina. — Eu sei como é o Leblon, estudei na PUC (da Gávea) muito tempo. Sei que muita gente da Cruzada (São Sebastião) recebe esse tipo de abordagem ali.

A cientista, que faz parte do conselho de transparência do TSE para as eleições de 2022 e foi uma das selecionadas da Lista Forbes Under 30 no ano passado, disse que somente no fim da tarde desta sexta (4) alguém da comunicação da rede teria entrado em contato, pedindo para que ela voltasse à loja para conversar sobre o ocorrido:

— Respondi que não me sinto mais à vontade para entrar naquela loja depois do que aconteceu comigo e com a minha irmã. Não sou eu quem teria que ir até lá — ressalta a cientista, que desenvolve uma pesquisa sobre racismo nos algoritmos de reconhecimento facial.

Nina disse que no momento em que foram seguidas pelo segurança estava pegando um livro do sociólogo Muniz Sodré para dar para a irmã (que ela pediu que não fosse identificada).

— Não adianta ter um marketing antirracista, ter espaços dedicados a livros da Djamila (Ribeiro), da bell hooks, da Lélia Gonzales, se não há uma mudança real na estrutura — comenta a cientista. — Fico pensando como foi difícil para pesquisadores como o Muniz, a Sueli Carneiro, que enfrentaram isso em tempos em que nem existam as redes sociais como uma forma de relatar esses episódios de racismo.

Nina aguarda um posicionamento oficial da rede, e está sendo acompanhada pelos advogados Djeff Amadeus e Letícia Domingos, para o caso de uma ação judicial.

Procurada, a Travessa respondeu, através de sua equipe de comunicação, que estão “tentando entender o que aconteceu, mas a Travessa pauta sua atuação pela valorização da diversidade em todos os seus aspectos. Não compactuamos com nenhuma prática discriminatória de qualquer natureza”.

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Rita Cristina de Oliveira: O salário psicológico como projeto de governo

“Antes eu vejo essas almas despidas e por todos...

Racismo e Sexismo nas História da Lobotomia no Brasil

Dr. Juliano Moreira² já na década de 30 lutava...

Manuela Hermes de Lima: Infâncias Negras, Racismo e Trabalho Infantil

“Trabalho infantil é um crimeE tem cor e endereço (…)Prioridade...

Mercedes denuncia insultos racistas a Hamilton após acidente com Max

Lewis Hamilton foi alvo de insultos racistas durante e...
spot_imgspot_img

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=