Cineasta aponta racismo nas produções brasileiras

Declaração de Joel Zito Araújo foi baseada em estudo coordenado pelo Iesp/Uerj que constatou que nenhum filme, dos 218 de maior bilheteria em uma década, contou com uma mulher negra na direção ou roteiro. O levantamento “A cara do cinema nacional” revela ainda que a presença delas nas telas também é baixa: atrizes pretas e pardas representaram apenas 4,4% do elenco principal desses filmes

Favela 247 – Estudo coordenado pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), sobre os filmes brasileiros de maior bilheteria entre os anos de 2002 e 2012 constatou que nenhum dos 218 longas-metragens nacionais de maior bilheteria contou com uma mulher negra na direção ou no roteiro. Intitulado “A cara do cinema nacional”, o levantamento mostra que a presença delas nas telas também é baixa: atrizes pretas e pardas representaram apenas 4,4% do elenco principal desses filmes. Na avaliação do cineasta Joel Zito Araújo, a baixa participação de mulheres negras no cinema nacional é consequência de um elemento estrutural na sociedade brasileira: o racismo, como mostra matéria da Agência Brasil.

Para Araújo, a solução passa por políticas públicas. “Cabe à Ancine (Agência Nacional do Cinema) buscar meios para resolver essa distorção profunda. E não ficar esperando que uma futura desejada educação de qualidade para todos extermine o nosso racismo estrutural”, destacou. Procurada pela Agência Brasil, a Ancine, que tem a função de fomentar e regular o setor, informou que “não opina sobre conteúdo dos filmes ou elenco”. Já o Ministério da Cultura informou ter investido R$ 5,1 milhões em editais de produção audiovisual este ano. Desse total, R$ 2,8 milhões foram destinados a jovens realizadores negros, cuja contratação foi feita em 2012.

 

Por Isabela Vieira, para a Agência Brasil

Especialistas avaliam que há racismo na produção audiovisual brasileira

A baixa participação de mulheres negras* no cinema nacional é consequência de um elemento estrutural na sociedade brasileira: o racismo. A avaliação é do cineasta Joel Zito Araújo, que comentou pesquisa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) sobre os filmes brasileiros de maior bilheteria entre os anos de 2002 e 2012. Para a diretora da Escola de Cinema Darcy Ribeiro, Irene Ferraz, a escolaridade e o acesso a recursos para a produção audiovisual poderiam reverter esse quadro.

O estudo A Cara do Cinema Nacional constatou que nenhum dos 218 longas-metragens nacionais de maior bilheteria analisados no período contou com uma mulher negra na direção ou no roteiro. A presença delas nas telas também é baixa: atrizes pretas e pardas representaram apenas 4,4% do elenco principal desses filmes.

Segundo Araújo, que é P.H.D. pela Universidade de São Paulo (USP), aliado ao racismo, que invisibiliza produtores negros no cenário nacional, o padrão estético das produções atuais ainda está calçado em ideias do período colonial, provocando distorções em todas as artes, inclusive no cinema. “A supremacia branca, o reforço da representação dos brancos como uma ‘natural’ representação do humano é chave para tudo isso. O negro representa o outro, o feio, o pobre, o excluído, a minoria não desejada.” Por isso, segundo ele, não está nas telas.

A opinião do cineasta é a mesma da coautora da pesquisa da Uerj, a doutoranda Verônica Toste, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp). Ela lembra que o Estatuto da Igualdade Racial tratou de prever a igualdade de oportunidades em produções audiovisuais, mas as leis são vagas e insuficientes para mudar a cara do cinema. “O Brasil tem uma legislação para tratar dessa situação, de conferir oportunidades iguais, no entanto, ela é burlada, sem fiscalização.” Verônica defende a distribuição de recursos do audiovisual para realizadores negros.

A diretora da Escola de Cinema Darcy Ribeiro, Irene Ferraz, reconhece que é baixa a presença de pessoas pretas e pardas em posições de mais visibilidade e prestígio no cinema, como o elenco, a direção e a produção de roteiros. Para ela, o problema começa na formação. “O cinema é uma arte muito complexa, envolve uma indústria, precisa de editais, recursos, se você tem uma escolaridade, chegará lá. Acontece que, na nossa sociedade, o negro está excluído em várias áreas”, avaliou, em relação à subrepresentação. “O cinema reflete o que é a sociedade”, completou.

O presidente do Sindicato Interestadual dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica e do Audiovisual, Luiz Antonio Gerace, não vê como um problema a ausência de mulheres negras no cinema. Segundo ele, a exclusão pode diminuir a partir do maior acesso a cursos de audiovisual. “É verdade que as mulheres ocupam mais os cargos de assistente de figurino e camareira do que direção e roteiro. Mas se fizer faculdade, por exemplo, vai ter a mesma chance que os outros.”

O argumento da educação, no entanto, é frágil, na avaliação de Joel Araújo. Para ele, a solução passa por políticas públicas. “Cabe à Ancine [Agência Nacional do Cinema] buscar meios para resolver essa distorção profunda. E não ficar esperando que uma futura desejada educação de qualidade para todos extermine o nosso racismo estrutural”, destacou.

Procurada pela Agência Brasil, a Ancine, que tem a função de fomentar e regular o setor, informou que “não opina sobre conteúdo dos filmes ou elenco”. Já o Ministério da Cultura informou ter investido R$ 5,1 milhões em editais de produção audiovisual este ano. Desse total, R$ 2,8 milhões foram destinados a jovens realizadores negros, cuja contratação foi feita em 2012.

* Convencionou-se chamar de negros a soma dos grupos populacionais preto e pardo, seguindo classificação do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE)

Fonte: Brasil247

+ sobre o tema

Nós e a Conferência Nacional de Comunicação

por: Nilza Iraci - Presidenta do Geledés Instituto da Mulher Negra "A...

‘Foram derrotados todos os que tinham complexo de vira-lata’, diz Dilma

Vídeo com pedido de desculpas do país à presidenta...

Controle de emissoras por políticos leva à falsificação da democracia

Ação no STF pede inconstitucionalidade de outorgas concedidas a...

Jovens de favelas de São Paulo são treinados para gravar vídeos de abusos policiais

Do encontro com o prefeito Fernando Haddad (PT) às...

para lembrar

Jorge e Domênica, filhos de Mano Brown, estreiam no cinema com o filme “Na Quebrada”

Jorge Dias e Domênica Dias, filhos de Mano Brown, irão estrear...

Marvel quer diretora de ‘Selma’ em ‘Pantera Negra’ ou ‘Capitã Marvel’

Ava DuVernay, diretora do indicado ao Oscar ‘Selma’, está...

Filme sobre revolta de escravos nos EUA é aplaudido de pé em Sundance

Nate Parker usou mesmo nome do clássico 'The birth...

Teatro Poeira – Contos colombianos abordam racismo

Baseado nos contos da compatriota Amalialú Posso Figueroa, a...
spot_imgspot_img

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...

A Sombra do Sonho de Clarice

O longa-metragem convidado para ser exibido no Lanterna Mágica no dia 21 de março foi O Sonho de Clarice, de Fernando Gutierrez e Guto...

Quando  Orí Protagoniza Uma Sessão de Animação

Um dos destaques da programação da sexta edição do Lanterna Mágica, festival de cinema de animação que acontece entre os dias 19 e 24...
-+=