Cineasta negra fala sobre cabelo e empoderamento na Bienal do Livro

“Estamos num momento em que a mulher negra vê o seu cabelo como ele realmente é pela primeira vez”, disse a jovem cineasta Yasmin Thayná, 22, para uma platéia de homens e mulheres, brancos e negros, na Bienal do Livro na tarde desta sexta-feira (4).

Por Luiza Franco Do Folha

Thayná, que exibe um black power poderoso, foi ao evento para falar sobre seu filme, “Kabela”, um curta-metragem experimental que celebra o cabelo da mulher negra. Estréia na próxima terça-feira (8) no Cine Odeon, no Rio.

Ele nasceu do conto MC K-bela, que relata a história de uma menina que sofre durante toda a infância e adolescência por ter cabelo crespo e um dia decide se libertar dos alisamentos.

“As mulheres negras começam a alisar o cabelo com cinco anos de idade. Quando convocamos voluntárias para atuar no filme, começaram a surgir relatos de meninas que diziam ter entrado em depressão porque o namorado a abandonou ou porque a família não aceita que ela não alise o cabelo”, contou Thayná.

“Quando você muda de cabelo, é um momento complicado porque ele é seu, mas você não o conhece porque sempre tentaram apagar ele de você. O cabelo crespo é o único que tem que dar um jeito.”

A equipe que realizou o filme e que será responsável por sua divulgação é toda composta por negros. “Tivemos uma preocupação que foi a questão do serviço de preto. A gente faz um trabalho bem feito para criar uma narrativa e dizer ‘esse é o trabalho de preto’, que a gente sempre fez, mas sempre foi silenciado”, diz Thayná.

Para Thayná, o filme não é um ato político isolado, mas sim parte de um momento de afirmação de negros em diversas áreas.

“Veja uma mudança grande. Lili e Lulu fizeram o primeiro editorial de moda com crianças crespas. O número de afroempreendedores que existe, pessoas que fazem produtos focando na questão afro é enorme. Vejo uma mudança grande nas narrativas, nos modos de negócio, no mercado, nas pessoas indo para a universidade, mudança de biografia.”

“As pessoas gostam da cultura negra, mas não gostam das pessoas negras”, diz Bruno Duarte, que faz parte da equipe de comunicação do filme. “Quando a gente propõe um filme em que os negros estão produzindo essas novas narrativas, quando ocuparmos esse espaço, vão haver mudanças, sim”.

+ sobre o tema

Mulheres negras enfrentam barreira maior no mercado de tecnologia

O Brasil tem mais negros (56%) e mulheres (52%),...

Marina: Paradoxos

 Há algo perturbador na performance eleitoral de Marina da...

para lembrar

Ana Paula Xongani estreia no GNT e se torna primeira brasileira com dreads em campanha de cabelos

A influenciadora digital fez os dreads durante uma viagem...

Sobre a solidão da mulher negra

Esse texto é sobre a solidão da mulher negra. Por Albertina...

Morre em Salvador a líder religiosa Makota Valdina

A educadora, líder religiosa e militante da causa negra,...

Mulheres Maravilhosas: Cristiane Sobral

Não me lembro exatamente como entrei em contato com...
spot_imgspot_img

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...

Da’Vine Joy Randolph vence o Oscar de Melhor atriz coadjuvante

Uma das favoritas da noite do 96º Oscar, Da'Vine Joy Randolph se sagrou a Melhor atriz coadjuvante da principal premiação norte-americana do cinema. Destaque...
-+=