Clientes negros são taxados como potenciais ladrões para loja Zara

Passaram-se apenas três semanas desde que vários executivos e ex-executivos da Zara foram condenados a pagar 40 milhões de dólares em uma ação por discriminação racial na Espanha quando um novo relatório sugere que o comportamento discriminatório da marca continua vivo em suas lojas.

por: MAURA BRANNIGAN, do Ceert 

Entre fevereiro e abril, o Centro de Democracia Popular (CDP) entrevistou 251 funcionários da Zara em Nova Iorque e produziu um relatório que detalha uma prática de ‘prevenção de perda’ que seria utilizado em lojas da Zara: Se um cliente “suspeito” (ou seja, aquele que apareceu provavelmente para roubar) foi identificado entrando na loja, ele ou ela iria ser rotulado como como “comprador especial”. Um  funcionário ou administrador, então, iria pedir para acompanhar esse cliente. Através do processo de levantamento da CPD, a loja supostamente passou a usar o código de “serviço ao cliente,” em vez de “comprador especial.”

 

Entre os entrevistados, 43% eram familiarizados com o termo “pedido especial” e 46% afirmaram que os consumidores negros, em particular, eram os mais rotulados por esse código.

 

Durante um grupo focal realizado pela mesma organização de direitos dos trabalhadores, um empregado negro disse ainda que recebeu o mesmo rótulo quando foi receber seu salário, enquanto vestia uma jaqueta com capuz.

 

Um porta-voz da Zara EUA emitiu a seguinte declaração para “Fashionista”: “Zara EUA refuta com veemência as alegações contidas no relatório do Centro de Democracia Popular, que foi preparado com segundas intenções e não por causa de qualquer tipo de discriminação ou maus-tratos reais. Ela não consegue seguir uma metodologia aceitável para a realização de um inquérito objetivo e acreditável sobre práticas de trabalho e, em vez disso, parece ter tomado uma abordagem para alcançar um resultado pré-determinado que foi desacreditar a Zara. Zara EUA acredita que as alegações feitas no relatório são completamente incompatíveis com a verdadeira cultura da empresa e as experiências de mais de 1.100 funcionários Zara em Nova York e mais de 3.500 em todo os EUA.”

 

Tradução: Robson Gil

+ sobre o tema

Žižek: Dois Panteras Negras

Há tempos esperávamos por um filme como "Pantera Negra",...

Prefeito francês é suspenso de partido por racismo

Paris, 11 dez (Prensa Latina) A conservadora União...

para lembrar

TJRJ condena Burger King a pagar R$ 24 mil por discriminação racial

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ)...

Constrangimento Racista no Burguer King

Sou nascida e criada no bairro de ipanema e...

Australiana é presa suspeita de racismo no DF

  "Não vou sujar minha mão com uma...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=