Cobertura de tatuagem: tatuadora brasileira cobre gratuitamente cicatrizes de mulheres sobreviventes do câncer e da violência doméstica

As cicatrizes podem ser lembretes constantes de algo ruim que se passou na vida de alguém, como uma doença grave ou um abuso sofrido ao longo da vida.

Do Hypescience

Por causa disso, a tatuadora brasileira Flávia Carvalho, que possui um estúdio em Curitiba, no Paraná, decidiu iniciar o projeto “A Pele da Flor”, que oferece gratuitamente tatuagens para mulheres em necessidade.

Desde então, Carvalho tem ajudado sobreviventes de câncer de mama e vítimas de violência doméstica com cobertura de tatuagem. O trabalho dela é cobrir cicatrizes deixadas por cirurgias, facas e balas. Seu objetivo é transformar essas lembranças desagradáveis em uma ferramenta de empoderamento.

“Tudo começou cerca de dois anos atrás, quando eu recebi uma cliente que queria cobrir uma grande cicatriz em seu abdômen”, conta Flávia ao jornal The Huffington Post. “Ela me disse que estava em uma boate, e quando recusou um homem que se aproximou dela, ele a esfaqueou com um canivete. Quando ela viu a tatuagem acabada, ficou extremamente emocionada, e isso me tocou profundamente”.

Quando Flávia começou o projeto, não tinha ideia que iria receber tanta atenção da mídia. “Tudo começou de forma muito espontânea. Como eu disse, os meus serviços são 100% voluntários, o único ‘custo’ das mulheres é escolher uma arte para suas tatuagens”, explica.

No pouco tempo que vem fazendo esse trabalho, Flávia já se deparou com histórias tristes que a marcaram. “O que mais me chocou foi a de uma menina de 17 anos de idade que namorou um homem mais velho e, durante meses, sofreu com a relação fisicamente abusiva”, relata. “Quando ele queria terminar com ela, marcou um encontro e, depois que eles começaram a brigar, a esfaqueou várias vezes em seu abdômen, e violentamente a estuprou”.

Para saber mais sobre o trabalho de Flávia, acesse sua página no Facebook. Abaixo, pode conferir algumas de suas incríveis obras que ajudaram a melhorar a vida de dezenas de mulheres: [BoredPanda]

tatuagens-flavia-carvalho-de-sobreviventes-da-violencia-e-cancer-1 tatuagens-flavia-carvalho-de-sobreviventes-da-violencia-e-cancer-2 tatuagens-flavia-carvalho-de-sobreviventes-da-violencia-e-cancer-4 tatuagens-flavia-carvalho-de-sobreviventes-da-violencia-e-cancer-5 tatuagens-flavia-carvalho-de-sobreviventes-da-violencia-e-cancer-6 tatuagens-flavia-carvalho-de-sobreviventes-da-violencia-e-cancer-7 tatuagens-flavia-carvalho-de-sobreviventes-da-violencia-e-cancer-8

+ sobre o tema

O Curta o Gênero não para!

Dia 11 de julho, próxima sexta-feira, acontece o PÓS Curta...

Mulheres Negras e Indígenas de SP comemoram o 25 de julho com Marcha

Mulheres negras de várias regiões da cidade e indígenas...

Inscrições para Prêmio Marielle Franco vão até junho

Os textos para o Prêmio Marielle Franco devem ser...

para lembrar

spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=