Comissão da Udesc Joinville avalia cota para negros

É o terceiro vestibular em que o sistema de cotas é adotado

Durante os próximos dias, a equipe da Comissão de Entrevista de Validação da Autodeclaração dos Candidatos Negros vai receber no campus da Udesc os vestibulandos que optaram pelo Programa de Ações Afirmativas.

É o terceiro vestibular em que o sistema de cotas é adotado, sendo 10% das vagas reservadas para pessoas negras, totalizando 37 vagas. Neste semestre, foram 22 inscritos.

A entrevista é feita individualmente pelos integrantes da comissão. Eles fazem a análise fenotípica que caracteriza os candidatos como pertencentes ao grupo de etnia negra, como cor da pele e cabelo.

— O fato de uma pessoa ter parentes negros não a caracteriza como tal, por isso esta análise faz-se necessária —, explica Alan.

No entanto, o processo não acaba após a aprovação da matrícula. Deverá ser implantada, já no próximo semestre, uma comissão de acompanhamento a fim de verificar como o estudante está se desenvolvendo.

— É necessária esta política pedagógica no intuito de garantir, por exemplo, a ambientação e permanência do aluno na universidade —, salienta Luciana.

O Serviço de Apoio ao Estudante deverá prestar esta assistência.

Caso as vagas destinadas aos negros não sejam preenchidas, elas poderão ser ocupadas pelos alunos que não foram contemplados pelo sistema de cotas para estudantes de escola pública.

Se ainda assim houver vagas em aberto serão realizadas novas chamadas para ingresso de estudantes segundo a classificação do vestibular.

— O sistema de cotas abrange todos os cursos da universidade, uma forma de tratar com igualdade os considerados desiguais —, ressalta o professor.

 

 

Fonte: A Notícia

+ sobre o tema

Deputado chama ministro do STF de ‘moreno escuro’ em reunião

O deputado federal Júlio Campos (DEM-MT) admitiu nesta...

CPI da Violência Contra Jovens Negros ouve diretor da Anistia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Violência Contra...

A polícia do Rio é a que mais mata no mundo

Vera Malaguti Batista é secretária geral do Instituto Carioca...

Dia Municipal das Ações Afirmativas

Criado via projeto de lei pelo vereador Sílvio Humberto...

para lembrar

“Comerciais como o da Perdigão evidenciam o racismo estrutural”

Advogado aponta mensagem racista em campanha de Natal que...

Racismo: país entra numa nova fase

Por Weden Não há, no mundo, país sem racismo....
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=