Comissões vão discutir papel da segurança privada no combate ao racismo

 

As comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Direitos Humanos e Minorias vão realizar audiência pública para discutir o papel da segurança privada no combate ao racismo.

O debate, ainda sem data marcada, foi solicitado pelos deputados Domingos Dutra (PT-MA), Luiz Alberto (PT-BA) e Benedita da Silva (PT-RJ). De acordo com os deputados, nos últimos meses tem sido comum a ocorrência de episódios de discriminação racial por parte de profissionais da segurança privada em vários estabelecimentos comerciais, de bancos a hipermercados. Eles afirmam que não há nenhuma disciplina na grade curricular do curso de formação, obrigatório para a formação de um profissional de segurança privada, que trate do enfrentamento ao racismo, e dos crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, definidos pela Lei 7.716/89.

Domingos Dutra ressalta alguns exemplos de denúncias que teve acesso, entre eles cita o caso de uma senhora negra de 56 anos que comprava mercadorias em um supermercado de Osasco (SP) em 16 de fevereiro de 2011. Apesar de apresentar o cupom fiscal, comprovando o pagamento dos produtos no valor de R$ 10,47, a dona de casa foi tratada como ladra e teve sua bolsa revistada por um dos seguranças. Por causa da abordagem e da humilhação, a senhora teve uma crise hipertensiva que quase gerou um AVC.

O deputado Luiz Alberto destaca que a Ouvidoria da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) recebeu, até 2010, 405 denúncias de discriminação racial e boa parte dos processos se referia à segurança privada. “Tais acontecimentos precisam de uma avaliação das situações das empresas e principalmente dos profissionais vinculados a elas. A atuação desses funcionários tem sido muito questionada pela sociedade e há necessidade de avaliar tais fatos com foco na formação e também na fiscalização”, enfatiza Benedita da Silva.

Convidados

Serão convidados para a reunião:

– presidente da Federação Nacional das Empresas de Segurança e transportes de Valores, Odair de Jesus Conceição;

– diretor-executivo da Coordenação-Geral de Controle de Segurança Privada da Polícia Federal, Wantuir Francisco Brasil Jacini;

– o professor, doutor em direito, Hédio Silva Junior; e

– representantes da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir); da Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça; e da Confederação Nacional dos Vigilantes e Prestadores de Serviços.

 

Fonte: Camara

+ sobre o tema

Chamado de ‘macaco’ pela torcida, Wallace sofre racismo na Superliga de volei

Atleta da Seleção sofre racismo em jogo da Superliga...

Por que o ‘blackface’ é uma forma de racismo

Maquiagem usada pelo primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, surgiu...

Quase 30 mil já foram aprovados por cotas em concursos de Estados

  Em análise no plano federal, a adoção de cotas...

Vestibulando de medicina é alvo de racismo nas redes

O jovem negro estudará na Universidade de Buenos Aires...

para lembrar

Maranhão: Bancos discriminam os funcionários negros racismo no brasil

Os negros ainda sofrem grande preconceito e discriminação...

Reconhecer o racismo é determinante nas condições da saúde da população negra

Há um mês, em Brasília, o Ministério da Saúde...

Uruguaios protestam contra racismo após briga entre mulheres

Milhares de cidadãos uruguaios marcharam pelo centro de Montevidéu...

Torcida gremista faz gestos e sons racistas contra jogadores do Cruzeiro

Torcida gremista faz gestos e sons racistas contra jogadores...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=