Comitiva real do Palácio de Ifé visita Museu AfroBrasil em São Paulo

A comitiva é formada pelos reis Joseph Adebayo Adewole – Oba Ajero do Reino de Ijero ( Ekiti), Oba Kayode Adenekan Afolabi –  Alapomu de Apomu (Osun), pelos babalawos Dr. White e Adekunle Olokooba, além do sr. Moses Olafare, chefe de imprensa do Palácio Real de Ifé.

A atividade é parte da agenda oficial em celebração ao mês da Consciência Negra. Enviados em missão oficial para representar Sua Majestade Imperial Ooni de Ifé, os reis,  babalawos, e o chefe da comunicação foram recebidos pelo curador e diretor do Museu AfroBrasil, Emanoel Araújo. “Estamos muitos honrados com a visita e com essa benção que vem de Oduduwa, o Rei Supremo. Todos nós somos iorubás e para nós é uma imensa honra, dessa gentileza e abnegação,” declarou o anfitrião ao mostrar o repertório do museu que hoje conta com 6 mil obras nos seguintes núcleos: África: diversidade e permanência, trabalho e escravidão , as religiões afro-brasileiras, o sagrado e o profano , história e memória.

Emanoel Araújo também ressaltou a importância desta conexão entre Brasil e Nigéria. “É muito importante que a gente tenha esta conexão, sobretudo da África Iorubá, pois estamos ligados ancestralmente à África e a tudo que ela trouxe para o Brasil”, destacou. Sobre projetos futuros, o diretor destacou a celebração dos 100 anos da Semana de Arte Moderna que serão tema de exposição; e o trabalho de uma artista nigeriana chamada Frida Orupabo, residente em Oslo, que será, ainda este ano, exposto no Museu AfroBrasil.

Durante a visitação os reis pontuaram que esse intercâmbio Nigéria x Brasil serve para fortalecer a autoestima dos negros que aqui vivem e potencializar a sua ancestralidade: “As pessoas negras do Brasil se veem como escravos quando, na verdade, são filhos de reis e rainhas. É necessário que eles saibam sua verdadeira história e origem, que não é de derrota e sim de vitórias de ancestrais nobres”

Vale lembrar que, impulsionado por Sua Majestade, o Rei Ooni de Ifé Ojaja II, os esforços da Casa Herança de Oduduwa, no Rio de Janeiro, têm reverberado em projetos importantes como a exposição virtual de arte iorubá “Tesouro dos Nossos Ancestrais” que envolve uma série de ações cuja finalidade é aproximar e reconectar o Brasil à sua ancestralidade iorubana.

Leia Também:

Comitiva brasileira viaja à Nigéria para participar do OLOJO

+ sobre o tema

Princesa Isabel teve papel tímido na abolição e gostava mesmo era de fazer sorvete, diz a historiadora Mary del Priore

Princesa Isabel foi reconfigurada na história. Tradicionalmente apresentada como...

Com máscara de Beyoncé, Taís Araújo elogia boa forma da cantora

Com máscara de Beyoncé, Taís Araújo elogia boa forma...

IZA é Isabela Lima a nova cantora que está pintando por ai. Confira o vozerão!

A Warner Music tem em suas mãos grandes cantores...

Joaquim Dias Cordeiro da Matta

Investigador, jornalista e poeta angolano, Joaquim Dias Cordeiro da...

para lembrar

Cantor Emílio Santiago morre no Rio

Cantor estava internado na CTI do Hospital Samaritano. Sambista havia...

Hilton Cobra retorna aos palcos com o espetáculo

"Traga-me a cabeça de Lima Barreto!" Os atores Lázaro Ramos,...

Kanye West também virá para o festival SWU

Kanye West é mais uma atração confirmada para...
spot_imgspot_img

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...
-+=