Como denunciar casos de racismo no local de trabalho?

O trabalhador que sofrer racismo no trabalho deve primeiro reunir provas para denunciar

O crime de racismo, ou seja, o ato de discriminação por raça e etnia, previsto na Lei 7716/1989, inclui uma série de práticas que vão contra a dignidade e a honra de um sujeito. No ambiente de trabalho, essas práticas, sejam elas pontuais ou corriqueiras devem ser observadas e denunciadas, podendo gerar multas e sanções para os responsáveis e indenizações para a vítima. 

Na área trabalhista, o racismo pode se caracterizar desde a recusa da contratação, até o pagamento de salários mais baixos devido à cor da pele, por exemplo. Há ainda os casos em que ocorre a injúria racial, descrita no artigo 140 do Código Penal. Neste caso o crime se caracteriza pelo ato de ofender a dignidade ou o decoro de alguém por conta de sua cor ou traços raciais. 

No entanto, é importante frisar que a prática de discriminação racial no ambiente de trabalho pode também ser considerada assédio moral e, consequentemente, gerar direito a indenização para quem sofre. Além disso, o Artigo 5º da Constituição Federal declara o racismo como crime inafiançável e imprescritível e prevê pena de reclusão e multa para quem o praticar.  

Denúncia

Segundo a Convenção 111 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), é entendida por discriminação “toda distinção, exclusão ou preferência fundada na raça, cor, sexo, religião, opinião política, ascendência nacional ou origem social, que tenha por efeito destruir ou alterar a igualdade de oportunidade ou de tratamento em matéria de emprego ou profissão”. 

Além disso, o próprio Estatuto da Igualdade Racial aponta o dever do Estado brasileiro em garantir a igualdade de oportunidades por meio de políticas públicas e ações afirmativas que reduzam diferenças históricas a fim de combater a discriminação étnica.

Com base nisso, o trabalhador que sofrer racismo no trabalho deve reunir provas do ocorrido, como testemunhas, prints e gravações e fazer uma denúncia na Justiça do Trabalho, no Ministério Público do Trabalho e, caso houver, procurar o sindicato da sua categoria. A partir de então os órgãos acionados darão andamento ao processo de avaliação do caso, que poderá resultar em proteção e indenização do sujeito que sofreu racismo e punição aos responsáveis.

Estatísticas

As estatísticas demonstram que o racismo estrutural ainda prevalece quando falamos em desigualdade entre pessoas de cor de pele diferentes no mercado de trabalho. Segundo dados de 2019 do Observatório da Diversidade e da Igualdade de Oportunidades no Trabalho da Smartlab, plataforma que atua em conjunto com a OIT e com o Ministério Público do Trabalho (MPT), os trabalhadores autodeclarados pretos e pardos são os menos remunerados, em comparação a brancos e amarelos, por exemplo. 

De acordo com dados do mesmo estudo, enquanto um homem branco recebe cerca de R$ 3,6 mil trabalhando no setor formal, um homem preto recebe R$ 2,4 mil. E a desigualdade racial ainda se sobrepõe às mulheres, fazendo com que recebam ainda menos. Segundo a pesquisa, uma mulher branca recebe em média R$ 2,8 mil e uma mulher preta recebe mensalmente, em média, R$1,9 mil. 

Entretanto, é importante destacar que a Constituição Federal declara a “proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil” e o artigo 461 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) prevê multa por discriminação em razão do sexo ou etnia e assegura a isonomia salarial.

+ sobre o tema

‘Em cada batalhão da PM tem um grupo de extermínio’. Por Tatiana Merlino

Por Tatiana Merlino Primeiro, identificam-se os "bilões" de...

Primeiro negro a presidir a Associação de Imprensa do RS fala sobre racismo no setor

Oitenta e seis anos após sua fundação, a Associação...

A resposta da Miss Bélgica aos comentários racistas que recebeu após a coroação

Coroada Miss Bélgica no último dia 13 de janeiro,...

para lembrar

Mães de Maio: Solidariedade e orientações aos familiares e amigos de vítimas da violência em SP

IMPORTANTÍSSIMO: SOLIDARIEDADE E ORIENTAÇÕES AOS FAMILIARES E AMIGOS...

Após comentário racista, repórter da RBS TV presta queixa

O jornalista Manoel Soares foi vítima de racismo na...

Professora é acusada de racismo por aluno em Franca (SP)

Ela teria mandado um estudante "pular como um macaco"...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=