Como é para mim interpretar Darluz?

Dina Alves conta a sua experiência em interpretar a personagem Darluz

por

Pra mim, interpretar Darluz é poder reafirmar no meu trabalho que o teatro deve cumprir sua função social. Darluz foi construída através de muito diálogo com Eduardo Silva, diretor da peça, muita leitura do texto e exercícios de escrita da gênesis da personagem. O Eduardo e eu chegamos à conclusão que Darluz é essa mulher enlouquecida pelo sistema capitalista e que forja estratégias de sobrevivência a partir do seu corpo.

Pra mim Darluz foi um presente oferecido pelo Marcelino Freire, escritor pernambucano vencedor do prêmio Jabuti, com quem eu tive o prazer de conversar sobre essa mulher que ele escreveu no conto intitulado Darluz, do livro Balé Ralé.

Interpretar Darluz é uma grandiosa oportunidade de demonstrar, através da personagem, o lugar/não lugar que as mulheres negras ocupam nessa sociedade, que as relegam a espaços historicamente demarcados.  Se é verdade que as mulheres negras somam-se a maior participação demográfica entre os pobres, vítimas de racismo e do sexismo, Darluz confirma essa verdade a partir da sua fala e de seu corpo no palco.

Darluz representa grande parte das mulheres negras que estão limpando o chão das universidades, vivendo em lixões, atrás das grades e vítimas do aborto. É muito importante trazer para o teatro a reflexão sobre a maternidade negra e qual é o olhar da sociedade e do estado sobre estas mulheres e seus corpos. Historicamente vistas como fábricas de produzir marginais. Darluz traz à tona a discussão sobre a autonomia do corpo ao gerar seus filhos e vendê-los, ao mesmo tempo em que vende também o leite produzido pela gestação e assim utiliza o seu corpo como instrumento de sobrevivência.

Sinopse:

O espetáculo tem duração de 40 minutos, onde a cena teatral é conduzida por “Darluz”, mulher moradora da favela Canindé, próxima a um lixão. Ela tem 49 anos de idade, é negra, mãe de 14 filhos, os quais ela vende a terceiros a fim de livrá-los da extensão da sua miséria. A protagonista tem um marido alcoolista e desempregado chamado Altamiro e ambos vivem em situação de pobreza. O enredo é pautado por “Darluz” dialogando com Altamiro sobre suas angústias, suas perdas, sua condição social, racial e sobre a sua solidão. Tanto o início quanto o desfecho teatral são marcados pela protagonista relatando a história dos filhos vendidos, os quais são simbolizados por brinquedos que compõem o cenário.

Darluz-Teatro-Municipal-do-Guarujá-30-de-abril2

+ sobre o tema

Luiza Bairros: População negra já não aceita passivamente o racismo

O aumento das manifestações de racismo registradas em situações...

Dia da Mulher Negra na América Latina e Caribe em Salvador (BA)

O dia 25 de julho foi escolhido durante o 1º Encontro...

Apenas 19% de produtores rurais do país são mulheres

Número cresceu quando comparado ao último censo. Em 2006,...

para lembrar

O pseudomoralismo é hipócrita, machista e racista

O moralismo como prática política é seletivo e hipócrita. Por...

Pernambuco adere ao Protocolo de Investigação de Feminicídio

Ocupando a 17ª posição no ranking nacional de violência...

Jungmann: envolvimento de poderosos na morte de Marielle é certeza

O ministro da Segurança Pública, Raul Jugmann, declarou ter certeza do...

25 de Julho: SPM celebra Dia da Mulher Negra com os movimentos sociais nesta segunda

A secretária de Políticas para as Mulheres (SPM), Márcia...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=