Como o pop vê o futuro da mulher

O futuro feminino está mais para distopia ou utopia? Convidamos cinco especialistas para listar obras da cultura pop que abordam o assunto

Por Carol Ito  Do Revista Trip

Foto: reproduzida/ Revista Trip

A segunda temporada de Handmaid’s Tale – baseada no livro homônimo de Margareth Atwood, escrito há mais de trinta anos – estreou em 25 de abril. A obra retrata um país chamado Gilead, no qual as mulheres têm os direitos vetados e algumas são feitas prisioneiras de casais que querem gerar filhos, devido às baixas taxas de fertilidade locais. A nova temporada mostra o destino dramático das personagens que desobedeceram as leis brutais de Gilead, incluindo Offred, protagonizada por Elisabeth Moss.

Convocamos cinco especialistas para falarem de outras ficções que imaginam o futuro feminino, nem todas (ufa!) tão sombrias como Handmaid’s Tale. São elas: Ana Rüsche (escritora e autora de tese de doutorado sobre O conto de Aia), Renata Corrêa (roteirista e escritora), Gabriela Franco (editora-chefe do site Minas Nerds), Anne Quiangala e Dani Razia (integrantes do site Preta, Nerd e Burning Hell).

Ana acredita no poder da ficção para criar possibilidades de mudança. “A gente já é o sonho de nossas bisavós. Quando você imagina alguma coisa, ela já começa a existir”, reflete a escritora.

Mad Max: Estrada da Fúria

No cinema

A atriz Chalize Teron brilhou em Mad Max: Estrada da Fúria (2015) interpretando a corajosa Imperatriz Furiosa, uma guerreira que luta contra a sociedade que explora a capacidade reprodutiva das mulheres, escravizando mães para fornecerem leite e obrigando as férteis a engravidarem. “Mad Max coloca o masculino e o feminino como valores em conflito, em uma alegoria anabolizada da condição das mulheres ao longo da história ocidental”, comenta Renata.

Outra trama que mostra um futuro sombrio é Advantageus (2015), disponível na Netflix, em que mulheres passam por procedimentos estéticos surreais para não parecerem velhas ou fora dos padrões de beleza. Jacqueline Kim roteirizou e protagonizou o filme, interpretando uma mãe que luta por um futuro mais digno para a filha, apesar de estar desempregada por ser “velha” demais.

Nas séries

Para Ana, a série de ficção científica Star Trek: Discovery (2017) “ajuda a consolidar a imagem de mulheres na ciência, em lugares de comando e inteligência”. A história é protagonizada pela atriz negra Sonequa Martin-Green e pela asiática Michelle Yeoh, uma diversidade inédita na franquia Star Trek.

No Brasil, a série 3%, da Netflix, com segunda temporada prevista para 27 de abril, aborda a questão do privilégio e não discute especificamente o futuro feminino, mas imagina como seriam os direitos reprodutivos e sexuais numa sociedade distópica. As mulheres não podem ser mães quando são selecionadas entre os 3% mais aptos para viver no Maralto, uma espécie de terra prometida, onde não existe miséria, como explica Renata.

Série 3%

Na literatura

Imaginar um futuro sem desigualdade de gênero é um desafio complexo, mas a norte-americana, Ursula Leguin foi além. A mão esquerda da escuridão (de 1969, relançado no Brasil em 2014) retrata um mundo em que ninguém possui gênero definido e todos podem desempenhar as mesmas tarefas. “A sacada é que o livro deixa bem claro que gênero é uma construção social, como propôs Simone de Beauvoir. A própria ideia de mulher é colocada em perspectiva. Há necessidade de classificação? De segmentação?”, reflete Ana.

O romance Kindred – Laços de sangue (de 1979, lançado em português em 2017), da norte-americana Octavia Butler, dá um passo para trás para pensar o futuro. A protagonista Dana, uma mulher negra que vive na década de 1980, viaja em uma máquina do tempo até a época em que seus antepassados eram escravizados. A grande questão do livro, para Ana, é: “como fazer com que as pessoas escravizadas, principalmente mulheres, imaginem que poderia existir um futuro de liberdade?”.

Nos quadrinhos

A webcomic independente Lizzie Bordello e as piratas do espaço, de Germana Viana, publicada desde 2013, é uma aula sobre conviver com a diversidade. As protagonistas, que  possuem diferentes corpos e gêneros, vivem em uma nave e exploram o espaço, lutando contra vilões machistas e homofóbicos que aparecem pelo caminho.

Na série de gibis Y: o último homem (de 2002, lançados no Brasil em 2003), do norte-americano Brian K. Vaughan, o mundo entra na era matriarcal, depois de uma praga matar todos os homens do planeta, exceto um. Gabriela comenta que “a HQ consegue mostrar a pluralidade entre as mulheres, mesmo com um protagonista homem, com uma trama que não é maniqueísta, nem romântica, apenas diversa”.

Game Tomb Raider

Nos games

O enredo de ReCore (2016) se passa em um futuro pós-apocalíptico, no qual a humanidade e os robôs passam a habitar outro planeta. Mas as coisas não saem como o planejado. Joule Adams viaja até uma das colônias e tenta descobrir o que deu errado. “A protagonista é jovem e autônoma. A narrativa é focada na sua missão de descobrir o que ocorreu com sua espécie e, nesse meio tempo, não há ênfase em relacionamentos, nem sexualização”, observa Anne.

Por fim, um game que tem acompanhado gerações: Tomb Raider (criado em 1996), no qual a arqueóloga Lara Croft luta contra zumbis em busca de artefatos valiosos. No início, a personagem era sensual. Mas isso mudou com o tempo, afirma Anne: “A partir de 2000, houve uma reinvenção. Desde o design, que passou a mostrar uma mulher mais realista, até o fato de ela não usar a o corpo como arma de sedução”. Para Dani, é “libertador” jogar com uma protagonista que não precisa ser salva por alguém”.

+ sobre o tema

Pobreza e abusos estimulam casamentos infantis no Brasil

Imagine que sua filha vai se casar. Engravidou do...

Artigo: Mulheragem

Expressão ao ato público como mostra de admiração a...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo...

para lembrar

Secretária adjunta transexual de Porto Alegre se casa

Cerimônia aconteceu no Dia Nacional da Visibilidade Trans e...

SUS faz primeira Operação de Mulher para Homem no Brasil.

Alexandra dos Santos será 1ª brasileira a passar por...

Homem agride mulher e polícia diz não poder fazer nada

Avenida Paulista, esquina com a alameda Campinas, 23h10 de...

Shonda Rhimes faz um discurso poderosíssimo sobre inclusão na TV

Já está podendo colocar a coroa de “Rainha da...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=