Me compadeço

Respeitar o medo do outro foi uma conquista da minha vida adulta. Na infância lembro de uma cena, no Posto 6 de Copacabana, em que zombei do meu primo Walter. Bastava a água bater em seus joelhos para ele se encher de paúra. Eu, que me achava corajosa, ria na cara dele. Depois a vida – sempre ela – se encarregou de desvelar os meus próprios medos. Alguns tão ferozes que amarelaram minha alma. Entre eles, sofri por alguns anos do pavor de aviões. Uma vez, convidada a um festival de Vídeo em Brasília, declinei da passagem aérea, paga pela organização, para amargar cerca de quatorze horas dentro de um ônibus. Decrépito, sacolejante, quente. 

Por Fernanda Pompeu Do Yahoo

Também tive a síndrome do pânico. Não podia pegar trens de metrô, pois parecia que ia sufocar. Não conseguia entrar em filas, particularmente as de agências bancárias, parecia que eu ia desfalecer. Nessa época, gastei uma fortuna em táxis. Como ainda não existiam caixas eletrônicos, implorava a corações amigos que pagassem contas e descontassem cheques para mim. Curada do medo de voar e da síndrome do pânico – que assim como surgiram do nada, desapareceram – tive medo de morrer de câncer. Foi detectado um pólipo na minha bexiga e depois de retirado fui submetida a três anos de monitoramento. Assim, por 36 meses, vivi com a dúvida. Até o dia que o doutor me deu alta, ou eu decidi que ele havia me dado alta, e comemorei com um sorvete La Basque. Isso foi há quinze anos. 

Mas resolvidos esses medos tangíveis, ainda me debato com os pânicos de fundo. O pior deles, o da perda de pessoas amadas. O medo monstro que experimentei quando percebi que meu pai estava morrendo. O tremor que sinto a cada aniversário da minha mãe, quando ela vai inexoravelmente envelhecendo. O do meu próprio envelhecimento e a visão aguda de que eu também me aproximo aothe end. A percepção afiada de que o meu passado é bem mais extenso do que o meu futuro.

Não desnudo meus pavores por nenhum mórbido exibicionismo, apenas para registrar o quanto, hoje, eu respeito o medo das pessoas com quem encontro formal ou intimamente. Ao me relacionar com elas quero saber de suas necessidades, realizações, sonhos. Mas, principalmente, tento apreender quais são os seus temores. Isso expande minha compreensão e empatia. Pois, no cardápio dos medos, os diferentes se tornam mais iguais.

+ sobre o tema

Bolsonarismo ataca democracia de todas as formas

O risco democrático que o bolsonarismo representa não se...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

O que pensa o ministro Arthur Chioro sobre a saúde da mulher – por: Fátima Oliveira

Preocupada com o silêncio sepulcral do novo ministro da...

Hélio Santos rebate artigo de Serra sobre raça

Fonte: Folha de São Paulo – Painel do leitor...

para lembrar

Desvelar-se – Por: Fernanda Pompeu

Tirar o véu que nos protege. Mostrar-se para o que...

Morte no Araguaia

Passados os 50 anos do golpe militar a coluna...

Mar Amar

Mar Amar Pezinhos na areia fofa e molhada de água salgada...

Papo de manos

– Aí, o que vai rolar hoje à noite? Por Fernanda...

Fátima Oliveira dos 1000 Legados

Temos trabalho e prazer para muitas gerações Por Fernanda Pompeu em seu blog  Em 2005, tive a honra e o prazer de entrevistar a médica Fátima Oliveira (1953-2017)....

A vida é raçuda

Alvorada Acordar cedo é fonte de sofrimento para Celina Macunis. Toda vez que é obrigada a sair da cama antes das 10, vivencia a espantosa...

Luiza Bairros (1953-2016)

Morreu no 12 de julho 2016 a grande Luiza Bairros. Ela foi de tudo: ativista, professora, ministra. Gaúcha e baiana. O texto que segue...
-+=