sexta-feira, dezembro 2, 2022
InícioSem categoriaConheça as ‘puxadoras’ de samba da Sapucaí

Conheça as ‘puxadoras’ de samba da Sapucaí

Das arquibancadas ou do sofá de casa, quem ouve os sambas entoados na Marquês de Sapucaí nem consegue perceber, mas a voz feminina se faz cada vez mais presente no grupo de puxadores das agremiações. Semana passada, o Sambódromo recebeu uma nova geração de pastoras, como são chamadas as vozes de apoio aos intérpretes oficiais desde os primórdios do carnaval. Visualmente, as moças emprestam beleza e graça ao desfile. Tecnicamente, elas cedem tons mais suaves ao coro para lá de grave — ouvidos iniciados sentem diferença na harmonia do conjunto.

A São Clemente, que abriu os desfiles da noite de segunda-feira com o enredo “Horário nobre”, levou quatro cantoras para apoiar Igor Sorriso, o intérprete-mor da escola, que passou pela Sapucaí travestido de Sinhozinho Malta. Produzidas em clima anos 60, com comportadas saias douradas de bolinha preta e lenços com a mesma estampa na cabeça, as “puxadoras” se destacaram pela empolgação. Nos refrões “Dance bem, dance mal, dance sem parar”, fizeram passinhos coreografados sem parar de cantar um minuto. E assim seguiram durante todo o cortejo.

— As mulheres vão conquistar ainda mais espaço no carro de som — torce a cantora Júlia Alan, de 26 anos, que dividiu os vocais com Aline Santos (ex-cantora de funk), Cecília do Preto (famosa nos blocos, como o Simpatia É Quase Amor) e Rosilene Alegria (backing vocal de grupos de pagode, como Exaltasamba).

Filha do compositor Sérgio Alan, da Unidos da Tijuca, Júlia começou a carreia de “puxadora” em 2003, na versão mirim da agremiação, a Tijuquinha do Borel. Quando fez 18 anos, foi convidada a integrar o quadro de compositores da escola Aprendizes do Salgueiro, onde ficou até 2011, quando foi chamada por Igor Sorriso para cantar na São Clemente. Nos dois últimos anos, ela era a única mulher entre os intérpretes da escola.

— A São Clemente comprou o nosso barulho e a chegada das outras meninas facilitou demais o trabalho: ficou mais fácil mostrar o vocalise, as variações melódicas sem letra no meio do samba — explica Júlia, publicitária por formação, que nos demais meses do ano trabalha como administradora em um projeto social do Salgueiro.

Neguinho aprova as vozes femininas

Na terça-feira de carnaval, Júlia foi conferir os desfiles das escolas mirins e ficou emocionada com o que viu: o intérprete oficial da Mangueira do Amanhã faltou, e uma menina, Larissa Cruz, assumiu o microfone-chefe.

— A Larissa mandou muito bem! Na minha época de escola mirim, dez anos atrás, eu era a única menina. Atualmente, há umas seis ou sete muito boas em escolas como Mangueira, Estácio e Vila Isabel. A nova safra de pastoras ainda tem muito o que crescer — diz ela.

Depois de quatro anos sem uma representante feminina na ala dos puxadores, a Beija-Flor ganhou reforço da cantora Cacau Caldas, de 36 anos, no time capitaneado por Neguinho da Beija-Flor.

— A puxação na Avenida não é privilégio dos homens, já tivemos Tia Surica, Elza Soares, Alcione. Devido ao fone do homem ser mais forte, tradicionalmente essa missão é atribuída a ele, mas as mulheres também são uma boa opção para melhorar a harmonia do conjunto. Algumas notas sobressaem melhor nas vozes femininas, ficam em tons mais confortáveis — avalia Neguinho, que por anos teve a irmã, Tina, ao seu lado no carro de som.

Nascida e criada em Nilópolis, Cacau sempre esteve presente na quadra para defender composições em escolhas de sambas-enredos. Até então, nunca tinha cruzado a pista da Marquês de Sapucaí.

— Ano passado, eu estava defendendo um samba na disputa e o Laíla (diretor de carnaval da escola) me convidou para integrar o time de puxadores — conta ela, que já gravou com Arlindo Cruz.

Para entoar o enredo “Amigo fiel, do cavalo do amanhecer ao mangalarga marchador”, que garantiu o segundo lugar à agremiação de Nilópolis, Cacau ensaiou todas as quintas-feiras, desde setembro do ano passado.

— A gente cantava por três horas e meia na quadra. Os 82 minutos na Avenida foram moleza — contou Cacau, que, apesar da boa forma, não se imagina dentro de um biquíni de rainha da bateria. — Nasci para cantar!

No esquenta, Marcelo Guimarães, um dos cantores da escola, elogiou o traje de Cacau: uma tailleur carnavalesco azul e branco:

— Além de se destacar pela beleza exterior, ela dá um toque especial. Sou a favor de mais mulheres entre os puxadores.

Se depender de Neguinho, assim será. Na Quarta-Feira de Cinzas, o intérprete se disse satisfeito com o resultado do conjunto:

— Ano que vem pretendo botar dois homens e duas mulheres ao meu lado.

Das arquibancadas ou do sofá de casa, quem ouve os sambas entoados na Marquês de Sapucaí nem consegue perceber, mas a voz feminina se faz cada vez mais presente no grupo de puxadores das agremiações. Semana passada, o Sambódromo recebeu uma nova geração de pastoras, como são chamadas as vozes de apoio aos intérpretes oficiais desde os primórdios do carnaval. Visualmente, as moças emprestam beleza e graça ao desfile. Tecnicamente, elas cedem tons mais suaves ao coro para lá de grave — ouvidos iniciados sentem diferença na harmonia do conjunto.

A São Clemente, que abriu os desfiles da noite de segunda-feira com o enredo “Horário nobre”, levou quatro cantoras para apoiar Igor Sorriso, o intérprete-mor da escola, que passou pela Sapucaí travestido de Sinhozinho Malta. Produzidas em clima anos 60, com comportadas saias douradas de bolinha preta e lenços com a mesma estampa na cabeça, as “puxadoras” se destacaram pela empolgação. Nos refrões “Dance bem, dance mal, dance sem parar”, fizeram passinhos coreografados sem parar de cantar um minuto. E assim seguiram durante todo o cortejo.

— As mulheres vão conquistar ainda mais espaço no carro de som — torce a cantora Júlia Alan, de 26 anos, que dividiu os vocais com Aline Santos (ex-cantora de funk), Cecília do Preto (famosa nos blocos, como o Simpatia É Quase Amor) e Rosilene Alegria (backing vocal de grupos de pagode, como Exaltasamba).

Filha do compositor Sérgio Alan, da Unidos da Tijuca, Júlia começou a carreia de “puxadora” em 2003, na versão mirim da agremiação, a Tijuquinha do Borel. Quando fez 18 anos, foi convidada a integrar o quadro de compositores da escola Aprendizes do Salgueiro, onde ficou até 2011, quando foi chamada por Igor Sorriso para cantar na São Clemente. Nos dois últimos anos, ela era a única mulher entre os intérpretes da escola.

— A São Clemente comprou o nosso barulho e a chegada das outras meninas facilitou demais o trabalho: ficou mais fácil mostrar o vocalise, as variações melódicas sem letra no meio do samba — explica Júlia, publicitária por formação, que nos demais meses do ano trabalha como administradora em um projeto social do Salgueiro.

Neguinho aprova as vozes femininas

Na terça-feira de carnaval, Júlia foi conferir os desfiles das escolas mirins e ficou emocionada com o que viu: o intérprete oficial da Mangueira do Amanhã faltou, e uma menina, Larissa Cruz, assumiu o microfone-chefe.

— A Larissa mandou muito bem! Na minha época de escola mirim, dez anos atrás, eu era a única menina. Atualmente, há umas seis ou sete muito boas em escolas como Mangueira, Estácio e Vila Isabel. A nova safra de pastoras ainda tem muito o que crescer — diz ela.

Depois de quatro anos sem uma representante feminina na ala dos puxadores, a Beija-Flor ganhou reforço da cantora Cacau Caldas, de 36 anos, no time capitaneado por Neguinho da Beija-Flor.

— A puxação na Avenida não é privilégio dos homens, já tivemos Tia Surica, Elza Soares, Alcione. Devido ao fone do homem ser mais forte, tradicionalmente essa missão é atribuída a ele, mas as mulheres também são uma boa opção para melhorar a harmonia do conjunto. Algumas notas sobressaem melhor nas vozes femininas, ficam em tons mais confortáveis — avalia Neguinho, que por anos teve a irmã, Tina, ao seu lado no carro de som.

Nascida e criada em Nilópolis, Cacau sempre esteve presente na quadra para defender composições em escolhas de sambas-enredos. Até então, nunca tinha cruzado a pista da Marquês de Sapucaí.

— Ano passado, eu estava defendendo um samba na disputa e o Laíla (diretor de carnaval da escola) me convidou para integrar o time de puxadores — conta ela, que já gravou com Arlindo Cruz.

Para entoar o enredo “Amigo fiel, do cavalo do amanhecer ao mangalarga marchador”, que garantiu o segundo lugar à agremiação de Nilópolis, Cacau ensaiou todas as quintas-feiras, desde setembro do ano passado.

— A gente cantava por três horas e meia na quadra. Os 82 minutos na Avenida foram moleza — contou Cacau, que, apesar da boa forma, não se imagina dentro de um biquíni de rainha da bateria. — Nasci para cantar!

No esquenta, Marcelo Guimarães, um dos cantores da escola, elogiou o traje de Cacau: uma tailleur carnavalesco azul e branco:

— Além de se destacar pela beleza exterior, ela dá um toque especial. Sou a favor de mais mulheres entre os puxadores.

Se depender de Neguinho, assim será. Na Quarta-Feira de Cinzas, o intérprete se disse satisfeito com o resultado do conjunto:

— Ano que vem pretendo botar dois homens e duas mulheres ao meu lado.

Fonte: Globo

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench