Conjuntura nacional, seus reflexos e consequências para a população negra e o Movimento Negro no Brasil

Por Reginaldo Bispo*

O extermínio da juventude negra avança, de forma indiscriminada, sem atenção de qualquer setor do estado, da mídia ou da sociedade. Quase nada foi feito, pelo governo, para cumprir o direito constitucional de titulação dos territórios quilombolas e indígenas, bem como em relação a reforma agraria. Em 20 anos de governos do PSDB e do PT, apenas 20 ou 21 territórios quilombolas foram titulados pelo governo federal. A maioria pequenos quilombos urbanos. Todo ano, retorna ao tesouro as verbas destinadas as titulações, o que faz com que elas sejam reduzidas no orçamento seguinte, ano após ano, provocando insegurança na vida dos quilombolas e indígenas, frente aos ataques e a violência do latifúndio e do agro negocio, devido apoio do governo a esses últimos.

O racismo religioso e o crescimento do setor evangélico no Congresso, tem proporcionado situações bizarras, com o surgimento de “traficantes de cristo” que ameaçam, invadem e expulsam candomblecistas e umbandistas de suas casas de culto no Rio de Janeiro; Em Salvador os “baleiros de cristo”, vendedores de bala, agitadores em ônibus, membros das igrejas pentecostais e vendedores de “acarajé de cristo”, ligados a igreja universal.

Enquanto reivindicamos um estado laico, plurirracial e multicultural, eles defendem o oposto, um estado confessional e fundamentalista, opressor contra todos os que não pertencem a sua religião, os que não sejam como eles os “escolhidos por Deus”. O pior, é que se aliam ao que há de pior e mais reacionário no pais, os seguimentos políticos e econômicos capitalistas, os políticos corruptos, aos partidos de direita, aos latifundiários da UDR-Ruralistas, aos homofôbicos e racistas, contrários aos quilombolas, indígenas, ambientalistas, à reforma agraria, e os pequenos agricultores familiares.

Os partidos transformaram-se em meros balcões de negocio, ende se compra e vende um punhado de parlamentares e seu tempo no radio e TV, para as grandes legendas, em troca de cargos e grana para financiamento de suas campanhas. Perderam sua natureza de serem ideológicos e programáticos, e assim organizar o povo para a conquista do poder.

O mandato parlamentar transformou-se em empresa pessoal. Do vereador, deputado ao senador, com raras excessões, deixaram de empenhar-se por leis e projetos em beneficio do povo, agora batem-se pela obtenção de seus objetivos pessoais, de cargos, apoio para campanha e de fortuna pessoal. Um cargo parlamentar é o melhor entre todos os negócios existentes no pais, já que rende limpinho R$ 30, 50, 60 mil/mês. O mandato já vem com o rabo preso ao poder econômico [à empresários, ao crime organizado], da arrecadação de igrejas evangelicas, à lavagem de dinheiro sujo de corrupção, trafico de influencia e desvio de estatais.

A militância Negra governista, em sua maioria por fim, se coloca em exposição na vitrine, leiloando e vendendo sua lutas, seus princípios, suas organizações e povo, em troca de migalhas, cargos ou alguma oportunidade de aparecer na foto da mesa das elites poderosas. Enquanto nosso povo sofre com as consequências dos incêndios criminosos e remoção forçada das comunidades pobres da periferia, em razão da Copa.

Quem não tem convenio médico particular, a maioria do povo, sofre com atendimento médico-hospitalar ruim, com escolas e a educação falida, depredadas e sucateadas de baixo nível, transporte publico caro de péssima qualidade, saneamento básico inexistente e déficit de moradia populares da ordem de 8 milhões de unidades.

A vitória das cotas raciais, provenientes da luta do MN, dos funcionários e dos alunos das universidades federais, depois da aprovação da constitucionalidade pelo STF, foram reduzidas à metade por um percentual composto de etnia, egressos da escola publica, particular e de níveis de renda[de difícil de entendimento] e postergadas na totalidade da ocupação de suas vagas por 05 anos, por decreto de D. Dilma, que jamais demonstrou interesse pelo assunto.

O estatuto da Igualdade racial do DEM, nasceu esvaziado e falido, inútil portanto para nossas demandas. Que com ou sem estatuto só teria uma chance diante da unidade programática, na diversidade, e da organização politica de negros e negras, pensando metas e conquistas para 5, 10, 20, 30 anos pra frente.

Destaco a violência policial e do genocídio do povo negro. O Mapa da Violência, confeccionado por uma ONG Argentina e divulgado pelo Ministério dos Direitos Humanos em 2012, demonstrando que entre 2001 e 2012, morreram por homicídio, no Brasil, 515.000 mil pessoas. Cifras estas, só comparáveis mundialmente com os 11 anos de guerra civil mais intensa em Angola, onde pereceram 550.000 africanos.

Entretanto o que salta aos olhos, é que 2/3, cerca de 380.000 dessas vitimas, são jovens negros entre 14 e 25 anos, o que significa mais de 30.000 a/ano; e mais de 3.000 a/mês, equivalendo uma boate Kiss de Santa Maria-RS, com mais de 250 vitimas fatais negras a cada 02 dias, sem que ninguém se sensibilize, seja a sociedade, a mídia, os políticos, os partidos, o governo, e pior, até as organizações do MN e seus militantes, preocupados em não cobrar, nem desgastar os governos e seus partido, tornando-se cumplices dessa matança de nossos irmãos e irmãs.

Há pouco mais de um ano, a presidente Dilma, baixou um Balão de Ensaio denominado Programa Juventude Viva, no estado de Alagoas, o menor estado da Federação, onde os índices de homicídios [ guardadas as proporções tamanho geográfico e população], são os maiores do Brasil, e o terceiro do mundo. Incidindo sobretudo, contra a juventude negra daquele estado.

Demagógico e eleitoreiro, o programa Juventude Viva, é um balão de ensaio para um pequeno estado, com o proposito de estudar por 3 anos, as causas desses homicídios, quando se sabe de antemão que se poderia obtê-los dos movimentos sociais que combatem o genocídio, imediatamente, nos institutos de pesquisa que apontam as razões, na academia, que se quiser pode levantar no curto prazo elementos econômicos, sociológicos, antropológicos, educacionais, culturais, sociais e políticos de modo a contribuir com as soluções. Isto sem contar com os relatórios dos IMLs e da própria segurança publica.

O que prevalece é o racismo genocida da sociedade e do estado brasileiro, predominando na realidade a falta de vontade politica, a exemplo do que [não]fazem, não implementando a lei 10639.

Enquanto poder econômico e os políticos se locupletam em beneficio próprio, do estado e de seus recursos, amealhando fortunas pessoais e para suas campanhas eleitorais: deixam de cumprir com as funções para as quais foram eleitos, de se empenhar e garantir os direitos do povo: de emprego, educação, saúde, moradia, transporte, cultura, lazer e esporte PADRÃO FIFA.

Quando os políticos, partidos e governos, não cumprem com sua parte, abandonando o povo à própria sorte, liberam e jogam a policia para fazer o serviço sujo, de perseguir lideranças populares, criminalizar suas lutas e patrocinar o genocídio do povo negro, através de ações das forças institucionais e de grupos de extermínio compostos por policiais na clandestinidade, em uma “Guerra Não Declarada” contra uma parte da nação, os cidadãos e cidadãs, negros, indígenas e pobres.

O “Juventude Viva” é uma das maiores farsas do Governo Dilma, balão de ensaio, criado a 1 ano e meio, continua no papel no pequeno estado de Alagoas [pasmem: Dilma declarou no lançamento, que tinha apoio do governo do estado], não modificando nada a realidade de assassinatos de jovens negros, naquele estado, nem em nenhum outro do Brasil, com toda propaganda eleitoreira, uma vez que a primeira verba de R$ 80 Milhões de reais só agora começa a ser liberado.

Outro grande exemplo disso, são as obras da Copa, que resultaram na queima criminosa de inúmeras comunidades de favela, remoções forçada de comunidades e bairros pobres inteiros, para favorecer obras de estádios e de ligação entre esses e empreendimentos hoteleiros, deixando essa população sem moradia, inflacionando os preços imobiliários com a nova infraestrutura de modo a reciclar e multiplicar capitais antes estagnados, beneficiando empresários e o capital nacional e estrangeiro, forçando aquela população se mudar para a periferia, sem que goze de qualquer beneficio do legado da copa do Mundo.

Com o fim das obras da Copa, do PAC I e II e do Minha Casa, Minha Divida, que criou postos de trabalho e renda para seguimentos menos qualificados, beneficiando basicamente a classe média baixa com rendas familiares de até 04, 05 salários mínimos, a oferta de trabalho deverá reduzir significativamente, e com a crise financeira internacional, a desindustrialização brasileira e a queda da exportação de commodities, metais, minerais brutos, soja, açúcar, café e milho, a tendência é que se acentue o desemprego e advenha com isso a crise, até agora contornada com a venda de eletroeletrônicos, automóveis, apartamentos e turismo. Tudo isso foi alertado pelo ex- presidente do IPEIA, Marcio Pochmann, à dois anos as vésperas de sua candidatura a prefeito de Campinas. Dizia ele: “A nova classe média é uma falácia, o que existe é uma classe trabalhadora, individualista, não sindicalizada, consumista e sem consciência, não sustentável, porque seus empregos não estão assegurados, e não solidaria.”

Esse é um momento a que irmãs e irmãos negros militantes da muitas organizações negras, nacionais, estaduais e locais, encararem a realidade, e barrar o racismo que mata, com a conivência de seus partidos, seus políticos e seus governos, e demonstrarem o compromisso e a responsabilidade primeiro com a defesa de nosso povo, nossas crianças e com nossos jovens, numa demonstração da prioridade de seus compromissos. Propomos um programa Mínimo que nos identifique e nos uma nacionalmente em uma serie de ações conjuntas que nos leve a solução desses problemas:

1º) Garantia da vida com o fim do extermínio da juventude, e do genocídio do povo negro;

2º) A Titulação de todos os Territórios Quilombolas e demarcação dos territórios indígenas;

3º) O Combate ao Racismo Religioso, que ameaça o Brasil com um estado confessional, fundamentalista cristão-evangélico;

4º) Implementação da lei 10.639 e da 11….que inclui a cultura e a historia dos povos indígenas;

5º) A Reparação Históricas e Humanitárias, um Programa estratégico de cunho ideológico-cultural-econômico e histórico, deliberado pelos povos africanos e da diáspora na 2ª Conferencia Internacional Contra o Racismo, a Xenofobia e discriminações correlatas, Durban-Africa do Sul-2002, da qual o Brasil é signatário, por conta da sequestro, trafico transoceânico, colonialismo, escravismo e racismo, crime continuado que mantém fora dos direitos da nacionalidade a maioria negra, indígena, empobrecida e marginalizada do país.

A unidade de um povo, se faz com propostas, com projeto Politico, com programa, necessarios e acordados, depois disso, todos devem assumir o compromissoa e aresponsabilidade de executa-las. É preciso romper com o comportamento oportunista de deliberar e não cumprir colocando em pratica o acordado.

*Reginaldo Bispo integra o MNU de Lutas, Autônomo e Independente.

Fonte: Combate Racismo Ambiental

+ sobre o tema

Metrô de SP é conivente com racismo e demite funcionário

Metrô de SP é conivente com racismo e demite...

Pôster chinês do novo Star Wars é acusado de racismo

A versão chinesa do cartaz de “Star Wars: O...

Racismo nas abordagens é marca da PM, diz major negro

S. Paulo - Na contramão do comandante...

EUA: mortes provocadas por supremacistas brancos duplicam em um ano

Os supremacistas brancos foram responsáveis por sete em cada...

para lembrar

Skinhead que agrediu negros na zona sul já foi condenado por ataque a gays

Skinhead que foi preso na madrugada deste domingo (3)...

‘Humor’ advindo do ‘blackface’ praticado por Trudeau pode ser tudo, menos inocente

Caso do primeiro-ministro pôs luz sobre o privilégio de...

PMs destroem decoração de festa Junina no Alemão

No último dia 15 policiais da UPP Fazendinha, no...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=