Contra o preconceito. Até nas minorias

A luta principal continua sendo combater o preconceito no Brasil – e sua face extrema, que se traduz em estatísticas como as 2.432 violações a direitos de homossexuais entre janeiro e setembro e um total de 1,3 milhão de mulheres agredidas em 2010. Mas as organizações sociais identificaram que precisam enfrentar outro problema: evitar a segregação dentro dos próprios grupos vítimas de preconceito. E elas já se mobilizam para coibir o desrespeito.

por JOSÉ GABRIEL NAVARRO , THIAG

A advogada Lia Lopes, de 24 anos, fez parte da comissão que desenvolveu iniciativas contra o racismo no coletivo Jovens Feministas de SP. “Machismo, racismo e homofobia estão na formação de muitos”, diz Lia. “Quando se entra na militância sem perspectiva mais abrangente dos direitos humanos, a tendência é uma luta segmentada.”

No grupo, Lia incentivou discussões sobre como a questão racial pautou o feminismo, por exemplo. “O feminismo começou com mulheres brancas, que tinham tempo para reivindicar direitos. As negras estavam ocupadas trabalhando”, explica. “Por isso, foi preciso trazer a discussão racial para a batalha contra o sexismo.” O coletivo também passou a divulgar em seu site eventos sobre questões étnicas e se articulou com entidades que combatem outros tipos de discriminação.

Entre os homossexuais, o preconceito de classe é um dos mais identificados e tem reflexo inclusive na Parada LGBT. “Alguns não vão à Parada porque não querem se misturar e dizem que ali só tem ‘gente feia'”, conta Beto de Jesus, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. “Mas estamos atentos para não repetir os preconceitos e estereótipos da sociedade. Se a gente nota que um companheiro apresenta comportamentos de misoginia ou racismo, chama a pessoa para conversar.”

A antropóloga Isadora Lins França, da Unicamp, explica que o preconceito é algo social – e não natural. “Por isso, o fato de ser negro, gay ou pertencer a uma minoria não significa que a pessoa está isenta de preconceitos.” Segundo ela, as conquistas históricas de mulheres, negros e homossexuais, em termos de avanços contra a discriminação e conquista de direitos, mostram que a situação pode ser mudada pela ação política. E o primeiro passo seria reconhecer os sinais de preconceito. “Assim, podemos questioná-lo e desmontá-lo.”

Opinião semelhante tem o coordenador de projetos do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdade (Ceert), Daniel Teixeira, de 28 anos. Ele conta que, mesmo velados, os preconceitos acabam desencadeando gestos de discriminação entre militantes. “Reconhecer o preconceito tem sido um grande problema. Mas como é possível, por exemplo, combater o racismo de maneira ampla sem isso?”

Especialistas dizem que o preconceito pode ser encontrado mesmo em movimentos culturais que se esforçam para combatê-los. Seria o caso do hip hop, que luta contra o racismo, mas em alguns momentos trata de forma discriminatória mulheres e homossexuais. “Esse comportamento é apenas uma variante do que se vê na população”, diz o sociólogo Marcio Macedo.

 

 

 

 

 

Fonte: Estadão

+ sobre o tema

Feministas apoiam nova ministra e aguardam debate sobre aborto

Para representantes de entidades ligadas às causas feministas, escolha...

O uso do crack na gestação causa sérios riscos ao feto

Aumento do consumo do crack entre mulheres e as...

Ministra Eleonora Menicucci critica médico que não faz aborto legal

Para secretária de Políticas para Mulheres, profissional que não...

SEMDF participa do Encontro das Trabalhadoras da CTB

Desenvolvimento, autonomia e igualdade foi o tema que conduziu...

para lembrar

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Sexo e gênero e a boçalidade eleita

"ANTES DA TRANSFORMAÇÃO DE UM HOMEM OU DE UMA...

Como o 8 de Março mudou a ciência

Eva Alterman Blay é Professora Emérita da USP e...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=