Cotas e PEC dos escravos são defendidas durante homenagem aos 124 anos da abolição

Para senadores, libertação ainda “não está completa”

A homenagem do Senado aos 124 anos da abolição da escravatura, realizada nesta segunda-feira (28), foi marcada pela defesa das cotas para negros em universidades e da aprovação da chamada PEC do Trabalho Escravo – proposta de emenda à Constituição que permite a expropriação da propriedade onde for descoberta essa atividade.

A sessão foi uma iniciativa do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) e do federal Domingos Dutra (PMDB-MA), que é presidente da Frente Parlamentar Mista pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil.

Para Cristovam, é um equívoco afirmar que o objetivo das cotas é apenas beneficiar os negros.

– O país tira proveito quando jovens negros entram nas universidades por meio das cotas para fazer uma tarefa patriótica: fazer com que a cara da elite brasileira não seja apenas branca e tenha também as cores dos outros grupos étnicos e raciais do país.

Esse mecanismo de inclusão também foi defendido pelo presidente do Senado, José Sarney, durante a abertura do evento. Ele disse que as cotas são uminstrumento para resgatar, por meio da educação, a ascensão dos negros”. O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e o líder do governo no Congresso, José Pimentel (PT-CE), também subiram à tribuna para apoiar as cotas.

Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH), Paulo Paim (PT-RS) informou que o projeto que insere na lei o direito às cotas pode ser votado na semana que vem pelo Plenário do Senado. Se for aprovado, o texto dará mais força à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), anunciada mês passado, de considerar o mecanismo constitucional.

PEC do trabalho escravo

Outro assunto discutido durante a homenagem foi a PEC do Trabalho Escravo, que foi aprovada pela Câmara dos Deputados na semana passada. Como essa proposta voltará a ser examinada no Senado, onde teve origem, Cristovam e Paim fizeram um apelo para que a matéria seja aprovada rapidamente na Casa, antes do recesso parlamentar de julho.

Paim manifestou preocupação com um suposto acordo – que teria sido feito durante a votação na Câmara – para que haja uma regulamentação do trabalho escravo.

– Trabalho escravo nós não regulamentamos; nós proibimos.

 

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Uruguai: Marcharon contra el racismo y, en especial, por el nigeriano golpeado

Discriminación. Unas 50 personas de organizaciones afro pidieron Justicia...

Itália: El racismo persiste en el fútbol

Desde hace ya varios años se ha tratado de...

Carta de repúdio à mídia racista

Há uma nítida ascensão da população mais pobre no...

Ex-pantera negra discursa sobre genocídio da juventude e emociona público presente

  Ericka Huggins passou por duas universidades e estará presente...

para lembrar

‘Nunca vi preto mandar’ – Advogada é condenada a pagar R$ 30 mil por racismo

A Justiça do Trabalho condenou uma advogada a pagar...

Ludmilla responde a Val Marchiori

Socialite e comentarista de carnaval disse que cabelo de...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=