Cremesp defende nome social para médicos transgêneros: ‘Medicina deve estar a serviço dos direitos humanos’

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) deu um importante passo para acolher os profissionais transgêneros da medicina.

Por Caio Delcolli Do Brasil Post

Nesta segunda-feira (5), a instituição se pronunciou a favor do direito de médicos e médicas trans ao nome social no exercício da função.

O Cremesp disse em comunicado estar se esforçando para “ampliar o debate sobre a regulamentação do registro profissional ao médico trans e viabilizar a utilização do ‘nome social’”.

“É fundamental que, dentro de uma perspectiva de humanização da medicina, a ciência e a técnica se adequem ao indivíduo e ao seu desenvolvimento pessoal”, disse em entrevista ao HuffPost Brasil o Dr. Mauro Gomes Aranha de Lima, presidente da instituição.

Segundo o psiquiatra, a medicina deve estar a serviço dos direitos humanos, e a decisão é política.

“Os indivíduos devem ser acolhidos independente de regras, tabus e interditos que os afastam do atendimento médico”, afirmou.

“Na medida em que a medicina se harmoniza com uma demanda progressista e justa, vai fazer com que os pacientes tenham muito mais liberdade de colocar aos médicos suas angústias pessoais. Eles terão mais liberdade de se sentirem acolhidos pelo médico em vez de pré-julgados.”

O Cremesp solicitou ao Conselho Federal de Medicina (CFM) um posicionamento formal sobre a medida, para que esta vigore efetivamente, propondo a adoção de medidas que normalizem o uso do nome social, se assim desejarem os médicos trans, junto do nome civil – que sofrerá alteração apenas mediante determinação da Justiça.

A instituição disse no comunicado:

“O apoio da entidade federal a essa proposta permitirá, finalmente, alargar os passos das instituições em direção ao processo inclusivo proposto pelo Cremesp, onde prevaleça o respeito ao médico como indivíduo, profissional e cidadão.”

O Dr. Mauro Aranha defende: “o direito à identidade e ao desenvolvimento pleno dela faz com que se consolide um direito fundamental que nenhum momento se confronta ou agride o direito de outras pessoas”.

+ sobre o tema

Orlando/USA é aqui (todos os dias)

Por Eloá Kátia Coelho Enviado para o Portal Geledés Nasceram do mesmo útero...

Fusão ministerial é “apagão histórico”, afirmam juristas e especialistas

O Instituto Patrícia Galvão ouviu juristas, especialistas, pesquisadores e...

Marina Silva volta a assumir Ministério do Meio Ambiente após 14 anos

A futura ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, divulgou...

para lembrar

Lançamento dos livros de Sueli Carneiro e Cuti dia 12 /05

Dia 12 de Maio de 2011 as 19horas na...

Congresso argentino volta a discutir legalização do aborto

Milhares de pessoas voltarão, nesta quarta-feira (29), às ruas...

Para ele e para ela! C&A lança sua primeira linha de moda “sem gênero”

Batizada de “Tudo Lindo e Misturado”, a marca apostou...

Negras Empoderadas lutam contra as “formas de escravidão modernas” do Brasil

Criada pela empresária e advogada Eliane Dias e pela...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=