Cresce denúncia de violência doméstica

Fonte: O Estado de São Paulo –

Hoje, a Lei Maria da Penha, que aumentou o rigor das punições contra quem comete violência doméstica, completa três anos. Um balanço divulgado ontem pela Secretaria Especial de Políticas mostra que a sociedade está cada vez mais engajada na luta contra esse tipo de crime. Instrumento de denúncia, a Central de Atendimento à Mulher, o ligue 180, registrou 161.774 atendimentos, de janeiro a junho deste ano, um volume 32,36% maior que o registrado no mesmo período de 2008. “A população mudou de comportamento. Ela está encarando a agressão como um crime, de fato”, diz Aparecida Gonçalves, subsecretária de Enfrentamento à Violência contra a Mulher.

Quatro em cada dez brasileiros que conhecem uma mulher agredida tentam ajudar a vítima, segundo pesquisa realizada pelo Ibope e pelo Instituto Avon, no início de 2009. A ajuda nem sempre vem em forma de denúncia, mas também com orientação. “Isso ajuda a comprovar que o brasileiro está deixando de seguir um antigo ditado de que ?em briga de marido e mulher ninguém mete a colher?”, diz Aparecida.

São Paulo é o Estado campeão em denúncias, com 54.137 atendimentos, que equivalem a um terço do total nacional, de acordo com o relatório da secretaria. Em segundo lugar está o Rio, com 19.867 ligações, seguido por Minas, 11.056, e Bahia, 9.887. O último colocado, Roraima, aparece no ranking com 104 ligações.

Apesar da evolução do panorama, ainda há muito por fazer. A qualidade do serviço prestado na delegacia é a principal queixa recebida pela Central de Atendimento à Mulher. “Muitos delegados ainda aconselham a mulher a não deixar o marido, dizem que é melhor com ele do que sem ele”, diz a advogada Sônia Maria Nascimento, vice-presidente do Geledés Instituto da Mulher Negra. “É muito difícil convencer a vítima a ir à delegacia; e quando ela chega lá, não resolve nada.”

Se não bastassem a vergonha e a humilhação , a maioria das mulheres agredidas tem no máximo o ensino médio (55,5%), ou seja, pouca informação. “Muitas dependem financeiramente do marido”, diz Sônia. “A agressão fez com que eu me isolasse cada vez mais na minha casa”, conta a recepcionista Mônica Uchoa, de 40 anos, mãe de sete filhos, vítima de agressão do marido por 23 anos. “Acreditava que ele mudaria.” A Lei Maria da Penha dá ferramentas para a formação de uma geração com outra mentalidade. “Meninas em idade escolar já falam da lei”, comemora Aparecida.

 

 

Matéria original: Cresce denúncia de violência doméstica

+ sobre o tema

Lancellotti, Varella, Suplicy e outros

Minha filha me pergunta qual é o nome do...

Dilma: Um país da grandeza do Brasil não pode aceitar pessoas passando fome

  A presidente Dilma Rousseff reafirmou nesta quarta-feira (2/2) o...

URGENTE: Fórum 21 convoca a intelectualidade brasileira à defesa da democracia, contra o golpe

Resistir ao golpe para construir um Brasil mais justo...

para lembrar

Trabalhador que aderir à greve não pode ser demitido por justa causa

Contra a Reforma da Previdência e Trabalhista, movimentos sindicais...

Rui Falcão, a Globo e o mensalão do PSDB

'Não queremos revanche', diz Falcão ao defender que se...

Lavagem cerebral e racismo

por Kais Ismail Assisti no domingo (14/3) ao programa...

Após depoimento de Lula, jurista pede para retirar artigo de Moro em livro

“Sérgio Moro me deixou triste e decepcionado com tudo...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=