A criação do mundo é contada pelo olhar dos Iorubás na peça Gênesis, o Mix da Criação apresentada no Auditório Ibirapuera

Chegando em São Paulo pela primeira vez, a encenação do grupo Afro Circo leva ao palco da casa a mitologia que influenciou o nascimento de várias religiões no Brasil, entre elas, o candomblé, e faz um tributo a Benjamim de Oliveira, primeiro palhaço negro do Brasil

Enviado para o Portal Geledés

No dia 16 de dezembro, sexta-feira, às 21h, o Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer apresenta o espetáculo Gênesis, o Mix da Criação, do Afro Circo, grupo formado nas oficinas artísticas do AfroReggae no Rio de Janeiro. Encenada pela primeira vez na capital paulista, a montagem tem como base a lenda africana onde Olorum, o Deus supremo dos Iorubás, criou o universo. A história, contada por este povo originário da Nigéria através dos tempos, influenciou o nascimento de várias religiões no Brasil, entre elas, o candomblé, e possibilitou uma das conexões entre a África e o Brasil.

Fazendo um tributo ao primeiro palhaço negro do Brasil, Benjamim de Oliveira (1870-1954), o diretor geral do espetáculo, Johayne Hildefonso, toma emprestada a sua figura para conduzir a narrativa sobre o ato da criação. Segundo a lenda iorubá, Olorum jogou na terra cinco galinhas-d’angola e mandou que elas ciscassem, para separar os cinco continentes. Os Orixás, em festa, tomaram conta do planeta e criaram todas as coisas e os seres humanos. Assim, o personagem perpassa o texto no palco entre luzes, cores e movimentos em uma paródia à explosão do cosmos e ao nascimento da vida.

Representados pelo elenco do Afro Circo – Adair da Silva, Alex Schitine, Carla Albuquerque, Daniel Cunha, Elon de Souza, Jéssica Bebe, Jucilene Regina, Junior Paixão, Márcio Foox, Victor Timbel, Wanderson Silva e Will Junior –, os orixas e as yabás dão vida à encenação, que vai do clássico ao contemporâneo. A montagem, repassa à arte circense o gingado brasileiro utilizando símbolos e elementos cotidianos da cultura do país, quebrando, assim, o padrão de palhaços tradicionais vestidos de cetim para dar lugar à mitologia africana.

A trilha sonora é executada ao vivo pelos músicos Adilson Junior, teclados e MPC; Caê Melo, baixo; Clovis Alexandre, bateria; Joel Dias, guitarra; e na percurssão Anderson Dada, Juninho Manga, Luciano Santos e Wallace Rocha.

Sobre o Afro Circo

O Afro Circo surgiu no Cantagalo no final de década 90, com a formação da trupe a partir das oficinas artísticas do AfroReggae. Hoje, o grupo profissional apresenta a cultura africana em seus espetáculos A sua história começa precisamente em 1996, em Montreal, quando José Júnior, Coordenador Executivo do AfroReggae, conheceu Guy Laliberté, fundador do Cirque du Soleil, no Seminário sobre Movimento Popular. A ideia inicial era levar oficinas de circo para a comunidade Vigário Geral, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Entretanto, havia um grande interesse em trabalhar no Cantagalo e as primeiras cambalhotas foram dadas na comunidade da Zona Sul carioca. Com o tempo e muita dedicação, talentos foram revelados pelo Afro Circo, que até hoje segue exportando artistas para companhias circenses de todo mundo como o próprio Cirque du Soleil e o Ringling Bros, entre outros.

SERVIÇO

Gênesis, o Mix da Criação com Afro Circo – Grupo Cultural Afroreggae

Dia 16 de dezembro, sexta-feira, às 21h

Duração: 60 minutos (aproximadamente)

Ingressos: R$20 e R$10 (meia entrada)

Classificação indicativa: Livre.

Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer

Capacidade: 806 lugares

Av. Pedro Alvares Cabral, s/n – Portão 2 do Parque do Ibirapuera

(Entrada para carros pelo Portão 3)

Fone: 11.3629-1075

[email protected]

http://www.auditorioibirapuera.com.br/

Ar-condicionado. Acesso a deficientes. Proibido fumar no local.

Estacionamento do Parque Ibirapuera, sistema Zona Azul – R$ 5,00 por duas

horas. Dias úteis das 10h às 20h, sábados, domingos e feriados das 8h às 18h

Ônibus:

Linha 5154 – Terminal Sto Amaro / Estação da Luz

Linha 5630 – Terminal Grajaú / Metrô Bras

Linha 675N – Metrô Ana Rosa / Terminal Sto. Amaro

Linha 677A – Metrô Ana Rosa / Jardim Ângela

Linha 775C/10 – Jardim Maria Sampaio / Metrô Santa Cruz

Linha 775A/10 – Jd. Adalgiza / Metrô Vila Mariana

O Auditório Ibirapuera não possui estacionamento ou sistema de valet. O estacionamento do Parque Ibirapuera é Zona Azul e tem vagas limitadas. Sugerimos que venha de táxi ou transporte público

Horários da bilheteria:

Sextas-feiras e sábados, das 13h às 22h

Domingos, das 13h às 20h

Ingressos

Sistema Ingresso Rápido, pelo site www.ingressorapido.com.bre pontos de venda espalhados por todo o Brasil.

Formas de Pagamento: American Express, Visa, MasterCard, Dinners Club, Aura, Hipercard, Elo, Vale Cultura Sodexo e Vale Cultura Ticket, todos os cartões de débito e dinheiro. Não aceita cheques.

O serviço de reservas pelo site do Auditório está suspenso temporariamente para adequação ao aumento da demanda e melhor atendimento ao usuário.

Meia Entrada:

– Estudantes: apresentar na entrada Carteira de Identidade Estudantil.

– Professores da Rede Estadual, Aposentados e Idosos acima de 60 anos: apresentar RG e comprovante.

– Menores de 12 anos, acompanhados pelos pais, têm direito a 50% de desconto do valor da inteira, quando Censura Livre.

+ sobre o tema

Maguila é internado na ala psiquiátrica do Hospital das Clínicas de São Paulo

O ex-boxeador Adilson “Maguila” Rodrigues está internado na ala...

Os Musicos do Lixão. “Eles nos mandam lixo e devolvemos-lhes música”

Landfill harmonic - La armonía del vertedero - Orquesta...

Poetisas negras: gênero e etnia através dos versos

Para começo de conversa, quantas escritoras negras vocês conhecem?...

para lembrar

10 filmes para refletir sobre consciência negra

    Além dos livros, filmes são uma ótima maneira de...

Racismo atinge jogadores brasileiros, que aprovam até boicote a Copa do Mundo

Atletas contestam penas brandas, como multas e estádios fechados,...

PEDRA DO SAL HOMENAGEIA CARTOLA NO DOMINGO

  Pedra do Sal, local importante para a...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

“O batuque da caixa estremeceu”: Congado e a relação patrimonial

“Tum, tum-tum”, ouçam, na medida em que leem, o som percussivo que acompanha a seguinte canção congadeira: “Ô embala rei, rainha, eu também quero...
-+=