Cris Vianna e a saga em busca de bonecas negras

Olá! Hoje vamos falar algo que eu e você um dia já fizemos muito e que sempre traz um sorriso nos lábios quando recordamos. Sim! Os nossos brinquedos, as nossas brincadeiras… Ah, que saudades daquele tempo! Porém, com o brinquedo do qual falarei aqui, a atriz Cris Vianna, eu e muitas de vocês provavelmente não brincamos, mas com certeza as próximas gerações terão essa oportunidade: são as bonecas negras.

Por Evillyn Regis Do Topbuzz

A atriz esteve presente nesta terça-feira, 18, no Encontro com Fátima Bernardes e falou sobre a falta de representatividade negra nos brinquedos, especialmente com bonecas. Na conversa, a atriz admitiu que teve poucas bonequinhas negras quando criança e que agora, já adulta, coleciona muitas delas.

“Não conseguíamos encontrar as bonecas para comprar. Ainda hoje temos dificuldades, não é tão fácil, estamos torcendo para que isso melhore. Continuo comprando, não me desapeguei”, explicou.

Ainda durante a conversa, Cris revela qual é o seu estima especial.

“Tenho uma coleção. Essa representatividade é muito importante. Tenho um xodó com as minhas pretinhas, devem ser umas 60 ou 70”, finalizou.

Campanha ‘Cadê Nossa Boneca?’

Foto/Reprodução Facebook.

As psicólogas Ana Marcilia e Mylene Alves juntamente com a artista plástica Raquel Rocha idealizaram a campanha Cadê Nossa Boneca? O estudo foi realizado pela ONG Avante e entrou no ar em abril de 2016. No início, o site e a página do Facebook trouxeram à tona a falta de bonecas negras no mercado e traziam discussões sobre o tema. Mas, até então, a pouca diversidade entre este tipo de brinquedo era apenas uma observação das três mulheres. Foi aí que elas decidiram fazer a pesquisa.

Mesmo Negros e pardos representando 53,6% da população brasileira, segundo dados do IBGE de 2014. Ainda assim, há pouca representatividade desse grupo na esfera comercial. Nos últimos anos, porém, marcas de cosméticos, roupas e agências de publicidade têm percebido essa falha e que deve ser representado. Contudo, a pesquisa revelou que apenas 3% das bonecas no mercado são negras, apontou o estudo.

Por que ter uma boneca negra?

Uma parte da coleção de bonecas negras da Cris Vianna. Foto/ Reprodução TV Globo.

O brinquedo é uma peça fundamental na formação da identidade da criança. Assim, deve-se dar preferência àqueles que trazem uma representação mais realista da vida em sociedade. Através das brincadeiras a criança constrói uma série de “verdades”, que a influencia ao longo de toda vida. Por isso, é muito importante que, nessa fase, ela tenha contato com brinquedos que reflitam a multiplicidade da sociedade e fomente a representatividade.

Ainda não sou mãe, mas um dia pretendo ser e quero que meus filhos tenham contato com bonecas (os) negras (os), pois acredito que é um passo importante na construção da autoestima e, consequentemente, da aceitação de ser negro (a), de se sentir bem, feliz, sem necessidade de se encaixar em padrão de beleza imposto pela sociedade.

Portanto, vamos presentear todas as crianças, independente de sua etnia, com bonecas negras. Como dizia Mandela ‘nenhuma criança nasce odiando’. E com isso, vamos ajudando a construir um país que respeita a diversidade. Pense nisso!

Forte abraço!

+ sobre o tema

Geledés participa do I Colóquio Iberoamericano sobre política e gestão educacional

O Colóquio constou da programação do XXXI Simpósio Brasileiro...

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no...

A lei 10.639/2003 no contexto da geografia escolar e a importância do compromisso antirracista

O Brasil durante a Diáspora africana recebeu em seu...

Pedagogia de afirmação indígena: percorrendo o território Mura

O território Mura que percorro com a pedagogia da...

para lembrar

Primeira loja de bonecas negras do Brasil será inaugurada no Rio

A Era Uma Vez o Mundo, negócio de impacto social,...

Qual Natal queremos celebrar e comemorar

O que você quer ganhar no Natal, este ano? As...

Subordinação Racial no Brasil e na América Latina

PREFÁCIO Por Arivaldo Santos de Souza Enviado para o Portal Geledés Subordinação Racial...
spot_imgspot_img

A mulher negra no mercado de trabalho

O universo do trabalho vem sofrendo significativas mudanças no que tange a sua organização, estrutura produtiva e relações hierárquicas. Essa transição está sob forte...

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial chocantes e sua não punição, como nos recentes casos de abuso...
-+=