Cumbia chega ao país com mistura eletrônica

Tradicional ritmo latino-americano sai da periferia para ir a bairros nobres

Integrante de um dos principais grupos argentinos fala sobre as comparações com o “primo” funk carioca

Por THIAGO NEY, da Folha de S. Paulo 

A cumbia está para Buenos Aires como o funk carioca está para o Rio de Janeiro. A comparação é um bom ponto de partida para tentar entender esse tradicional ritmo dançante latino-americano que começa a ser difundido pelo Brasil. Um dos primeiros embaixadores da cumbia no Brasil foi o atacante argentino Tevez, que em 2005 comemorava seus gols no Corinthians com os característicos passos da dança.

Como muitos jovens saídos das regiões pobres da capital argentina, Tevez tornou-se fã do gênero -é, inclusive, integrante de um grupo musical que interpreta canções típicas. Se o funk carioca saiu das favelas do Rio para ganhar clubes da zona sul, a cumbia partiu da periferia da capital argentina para ser ouvida em bairros nobres de Buenos Aires.
Para fazer essa viagem às novas pistas de dança, a cumbia ganhou acompanhamento de ritmos eletrônicos como electro, rap e até do “primo” funk carioca. Um dos principais representantes dessa “nova cumbia” são o trio Zizek e o duo Fauna -este último se apresenta hoje em São Paulo, acompanhado de Villa Diamante, um dos integrantes do Zizek.

{xtypo_quote}A cumbia é um ritmo muito popular na Argentina, ouvida principalmente por pessoas mais pobres. Há preconceito. Muita gente de classe média tem vergonha de dizer que escuta cumbia”,{/xtypo_quote} conta Diego Bulacio, 29, o Villa Diamante. Bulacio formou o Zizek (nome em homenagem ao filósofo esloveno Slavoj Zizek) em outubro de 2006 com dois amigos: DJ Nim e Grant C. Dull.

Desde o ano passado, o trio vem ultrapassando as fronteiras latino-americanas: já tocaram no festival Coachella (EUA), México, Europa e estão escalados para o Roskilde (evento dinamarquês que ocorre em julho). O trio tem como marca misturar a cumbia com funk carioca e electro. “Em Buenos Aires, quando criamos o Zizek, os clubes eram temáticos: tocavam rock, tecno ou cumbia, sempre apenas um desses ritmos.

Com o Zizek, queremos um espírito livre, em que vamos da cumbia para o hip hop, reggaeton, dubstep, funk carioca”, diz. Bulacio aprova as comparações com o funk carioca: “Já convidamos [para tocar em Buenos Aires] gente como [a cantora] Deize Tigrona. Os dois ritmos são parentes, pois são bem dançantes. O funk faz você pular, enquanto a cumbia é apropriada para dançar de forma mais lenta. E ambos têm raízes nos bairros pobres. Sempre dizemos que a cumbia é o funk carioca de Buenos Aires -e vice-versa.”

Para conhecer a nova cumbia, vá ao www.zzkclub.com/.

+ sobre o tema

O grande anjo negro: Sterling é capa de revista masculina e discute o racismo no futebol

Atacante do Manchester City também fala sobre importância de...

Negra em Salão do Livro causa furor, diz autora brasileira

“Fui escolhida pela literatura. Tive essa sorte”, definiu a...

Negras Palavras: Dramaturgias Negras (Homenagem à Ruth de Souza) – 07 de dezembro (sábado)

07 de dezembro (sábado), 11h | Negras Palavras: Dramaturgias...

Expoente da Capoeira Paulista, Mestre Caranguejo lança seu segundo disco

Com o título "MESTRE CARANGUEJO E A POÉTICA DO...

para lembrar

Esperanza Spalding em São Paulo

Depois de assistir à apresentação da cantora americana de...

Museus Afrobrasileiros

Museu Afrobrasileiro, São Paulo/SP Fundação: 2004 Localização:...

África do Sul quer usar Copa para unir brancos e negros

A 209 dias da Copa do Mundo na África...

Pelé chora ao anunciar a volta de Robinho ao Santos

Por: Ricardo Viel Rei do Futebol foi coadjuvante na apresentação...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

“O batuque da caixa estremeceu”: Congado e a relação patrimonial

“Tum, tum-tum”, ouçam, na medida em que leem, o som percussivo que acompanha a seguinte canção congadeira: “Ô embala rei, rainha, eu também quero...
-+=