Curso de gestão sobre gênero e raça

Curso de Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça será oferecido em 2010. As universidades públicas federais e estaduais podem enviar suas propostas até o dia 31 de dezembro de 2009

 A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM) oferecerá, em 2010, o Curso de Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça. Trata-se de uma parceria com a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR/PR), a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação (MEC), o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e o Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM).

O objetivo do curso Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça – GPP-GeR é formar profissionais aptos a atuar no processo de elaboração, aplicação, monitoramento e avaliação de projetos e ações de forma a assegurar a transversalidade e a intersetorialidade de gênero e raça  nas políticas públicas. A meta é que a Administração Pública desenvolva instrumentos para transformar a preocupação com a equidade de gênero e raça em ações permanentes e sistêmicas incorporadas à agenda pública.

O curso de especialização e aperfeiçoamento em gestão pública é dirigido a servidores federais, estaduais e municipais da Administração Pública, a integrantes dos Conselhos de Direitos da Mulher, dos Fóruns Intergovernamentais de Promoção da Igualdade Racial, dos Conselhos de Educação e aos dirigentes de organismos não-governamentais ligados à temática de gênero e da igualdade étnico-racial. Também serão beneficiados pelo programa gestores das áreas de educação, saúde, trabalho, segurança e planejamento.

Nos mesmos moldes do Curso Gênero e Diversidade na Escola (GDE), também uma iniciativa conjunta da SPM, SEPPIR e MEC, o curso de gestão será ofertado pelas universidades públicas federais e estaduais através da Rede de Educação para a Diversidade/Universidade Aberta do Brasil/Capes/MEC. Esse sistema permite a ampliação da oferta em cada edição, conforme a demanda de formação continuada dos gestores, no formato semipresencial, nos pólos da Rede da Universidade Aberta do Brasil em todo País.

As universidades públicas federais e estaduais podem enviar suas propostas até o dia 31 de dezembro de 2009. Veja mais detalhes no Edital 28/2009 e no Manual Operacional da Rede de Educação para a Diversidade.

{rsfiles path=”curso-genero-raca” template=”default”}

Fonte: Universidade Livre Feminista

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Gustavo Castañon: Não se iludam, eles não vão desistir do Brasil

á roeram a corda a bem sucedida com papai...

Amapá, Urgente! Garimpeiros invadem aldeia Waiãpi e matam indígena

 Conflito pode levar a um banho de sangue Do  Xapuri “Eles...

Michelle Obama em 23 momentos de Primeira Dama

Nascida em 17 de janeiro de 1964, Michelle Obama...

Pesquisa revela: Bolsa Família teve impacto na queda da mortalidade infantil

  Brasília – Uma pesquisa feita para avaliar os impactos...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=