Curta documental ‘Cabelo Bom’ traz Kikito de ouro para o Rio

Filme de Claudia Alves foi vencedor na categoria o prêmio especial do júri no 45º Festival de Gramado

Por Gabriel Rosa Do O Globo

Moradora da Barra há sete anos, a cineasta Claudia Alves, de 29, acaba de levar um Kikito de ouro (premiação do tradicional Festival de Cinema de Gramado) para casa. O curta documental “Cabelo bom”, dirigido por ela e por Swahili Vidal, venceu na categoria Prêmio Especial do Júri e já está selecionado para a Mostra Geração do Festival do Rio.

Com três mulheres negras de gerações diferentes como protagonistas, o filme de 15 minutos aborda a relação delas com seus cabelos crespos. São histórias de preconceito vividas por elas enquanto percorrem um trajeto de aceitação de suas identidades, sintetiza Claudia.

— As opiniões e posições hoje estão muito polarizadas e extremistas. Receber este prêmio é uma espécie de selo de que estamos no caminho certo. Não se trata de dar voz a essas mulheres, porque voz elas já têm. A questão é abrir espaços — afirma Claudia.

Inicialmente, “Cabelo bom” trataria das it girls da periferia. No entanto, ao entrevistar as personagens do filme, Claudia percebeu que elas não se identificavam com o rótulo e que a questão do cabelo era muito mais importante para elas.

— Como trabalhei para a L’Oréal, reparei que há muitas dificuldades para se tratar do cabelo crespo. Há uma ideia de que um cabelo crespo arrumado tem que ter menos volume. E isso gera muitos problemas de identidade. Por exemplo, quando meu irmão era pequeno, ele chegou em casa um dia e se queixou com a minha mãe que o cabelo dele não balançava — relata.

O olhar atento para questões sociais foi cultivado desde que Claudia era pequena. A agora vencedora de um Kikito de ouro é nascida e criada na Tijuca, onde frequentou escolas construtivistas. Esse tipo de educação foi “fundamental para que desenvolvesse um olhar mais humano”, afirma. A vontade de cursar a faculdade de Jornalismo surgiu do desejo de contar histórias, que cresceu dentro dela após ler o livro “Abusado”, do repórter da TV Globo Caco Barcellos.

Logo após o processo de pré-produção de seu filme, Claudia teve outra experiência transformadora. Ela passou uma temporada de sete meses na África, gastos entre um curso realizado pelo Amani Institute, no Quênia, e uma viagem pela África do Sul.

— Este tempo na África ressignificou a minha vida, fez com que eu enxergasse as muitas semelhanças entre nós e eles. Assim como aqui, as mulheres lá têm uma autoestima muito baixa por conta dos seus cabelos. É uma coisa também incentivada por uma sociedade patriarcal. No Quênia, os homens dizem que o cabelo das mulheres é puffy (duro) e por isso, muitas acabam raspando a cabeça. — conta. — Na África do Sul, por outro lado, vi de perto os ensinamentos de Nelson Mandela, que sempre pregou igualdade de oportunidades acima de tudo.

+ sobre o tema

‘Mensagens diziam que o objetivo era não parar até que eu cometesse suicídio’

Nas últimas semanas, tenho recebido uma série de pacotes...

O Brasil e os direitos humanos

A nomeação, pelo secretário das Nações Unidas, Kofi Annan,...

No dia da Mulher Negra, queremos projetos que ponham a vida em 1º lugar

Neste dia da mulher negra latino americana e caribenha,...

Chimamanda Ngozi Adichie: “Nossa época obriga a tomar partido”

Escritora nigeriana defende que "todos devemos ser feministas", e...

para lembrar

“Representatividade é fundamental”, diz Leci Brandão

“Sempre fui ativista”. É assim que a deputada estadual...

“Ai, não fala em Cecília Meireles, não, que nem durmo!” – Por: Fátima Oliveira

Hoje é aniversário de minha filha Lívia, mãe de...

Aborto na Colômbia: ‘Enquanto abortava, mulheres davam à luz do meu lado’

"Sempre apoiei a legalização do aborto, mas interromper uma...

Mulheres que podem ter maior risco para Covid-19 e pouco tem sido falado sobre

Em julho de 2020, quando sua família testou positivo...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=