Chimamanda Ngozi Adichie: “Nossa época obriga a tomar partido”

Escritora nigeriana defende que “todos devemos ser feministas”, e critica os discursos de ódio tão comuns atualmente

Por CLAUDIA SALAZAR JIMÉNEZ, do El Pais 

É a referência mais pujante da luta contra a discriminação sexual. Seu lema “Todos devemos ser feministas” inspirou celebridades como Beyoncé e acabou estampado em camisetas da Dior. Dividindo-se entre a Nigéria e os EUA, a autora de livros tão aclamados como Meio Sol Amarelo e Americanah não se interessa pelas teorias, diz, e sim pela “tessitura da vida”.

CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE (Nigéria, 1977) escreveu seus primeiros contos quando tinha 7 anos. Aos 26 publicou seu primeiro romance, Hibisco Roxo, que, como o segundo, Meio Sol Amarelo, tem como palco sua Nigérianatal. Por ambos a escritora recebeu reconhecimento internacional e múltiplos prêmios, mas foi por Americanahque ela recebeu o mais prestigioso —o National Book Critics Circle Award, em 2013 (a Companhia das Letras publicou os três no Brasil).

Adichie cresceu num campus nigeriano. Seu pai era professor, e sua mãe, secretária de admissões. Aos 19 anos tomou o rumo dos Estados Unidos para continuar seus estudos universitários na Filadélfia. Dessa experiência surgiria Americanah, que se passa nos dois países —o natal e o de adoção— pelos quais hoje divide sua vida: passa algumas temporadas em Lagos; outras, em Colúmbia (Maryland). Seu terceiro romance marcou um ponto de inflexão em sua escrita. Nele tomou a liberdade de romper com os limites do gênero, falar da raça, do racismo e da migração nos Estados Unidos, dos problemas da identidade num contexto de desenraizamento.

 

Leia a matéria completa aqui 

 

+ sobre o tema

Adolescente com hidrocefalia conta como superou bullying e decidiu virar cantora

Angel Wanjiru, de 14 anos, tem hidrocefalia congênita. Quando...

Cota para mulheres gera impasse em meio a recorde de candidatas a vice

Para procurador, cota de 30% do Fundo Eleitoral só...

Da dificuldade nasce a força da mulher negra

Em 1989, com 14 anos, entrei no mercado de...

Número de feminicídios cresceu 50% durante lockdown na Itália

Um relatório divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (Istat)...

para lembrar

O dia em que me descobri uma mulher negra… e bonita

Depois de assistir à peça Pentes e participar da...

Iyagunã Dalzira conta sua luta contra o racismo

Veja a entrevista com a estudiosa da religiosidade Iyagunã...

Obesidade: Ofensas corporais e preconceito deixam as pessoas mais doentes

Chamar alguém de ‘gordo’ ou ‘magro’ pode ter sérias...
spot_imgspot_img

Zezé Motta recebe Preta Gil, Sheron Menezzes e Aline Wirley no ‘Especial mulher negra’

Artista que acabou de completar 80 anos, Zezé Motta recebe Aline Wirley, Preta Gil e Sheron Menezzes no “Especial mulher negra”, que será exibido...

Julho das Pretas: ‘Temos ainda como horizonte sermos livres das amarras históricas’, diz ativista

No dia 25 de julho será celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E em alusão a data, o Julho das Pretas é realizado...

Meninas negras de até 13 anos são maiores vítimas de estupro no Brasil; crime cresceu 91,5% em 13 anos

O número de estupros no Brasil cresceu e atingiu mais um recorde. Em 2023, foram 83.988 casos registrados, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior....
-+=