Nos 40 anos do Ilê, governador destaca trabalho social e combate ao racismo

“O Ilê Aiyê é uma marca da cultura negra”, afirmou o governador Jaques Wagner, na festa de comemoração dos 40 anos do bloco afro mais antigo da Bahia, na noite de sexta-feira (1º). Com um arrastão percussivo, baianos e turistas caminharam e dançaram ao som da bateria do Ilê, partindo do Plano Inclinado, na Praça da Sé, passando pelas ruas do bairro da Liberdade até chegar à sede da entidade, no Curuzu.

O presidente do Ilê Aiyê, Antônio Carlos dos Santos, o Vovô, recebeu as homenagens do governador Jaques Wagner e da primeira-dama, Fátima Mendonça, e outras autoridades. Vovô afirmou que o Estado vem abrindo as portas para o movimento negro. “A gente tem muito orgulho de ser negro e de ver uma participação maior do negro no poder, durante este governo”, afirmou.

“A gente sempre lembra de Mãe Hilda, que inaugurou este importante núcleo de trabalhos sociais. Parabéns para o Ilê, divulgando a cultura baiana e africana para o mundo”, destacou o governador, lembrando que o Estado valoriza o trabalho realizado pela entidade: “estamos sempre juntos, ajudando o Ilê a brilhar ainda mais”.

“O Ilê Aiyê foi um marco para a criação de todos os blocos afro do Brasil. Para além da baianidade e da brasilidade, o Ilê é uma referência de resistência, tradição e religiosidade”, afirmou o secretário estadual da Promoção da Igualdade Racial, Elias Sampaio.

Segundo Sampaio, o papel do Governo do Estado é apoiar e incentivar a entidade nos trabalhos sociais e na luta contra o racismo. Uma das formas de apoio, segundo o secretário, será a publicação de um livro em comemoração aos 40 anos do Ilê e de uma edição especial dos Cadernos de Educação, produzidos pela entidade desde 1995.

A ministra da Secretaria da Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, destacou que o Ilê Aiyê foi o responsável pela africanização do carnaval baiano. “O Ilê contribuiu não só para a Bahia, mas para o Brasil, incentivando o orgulho de ser negro e inspirando a criação de várias lutas contra o racismo no país”.

A festa, que reuniu mais de 4 mil pessoas na sede do Ilê Aiyê e outras 10 mil nas ruas do Curuzu, contou ainda com a participação de Carlinhos Brown e do DJ Branco.

Fonte: Comunicação.ba

+ sobre o tema

Pesquisa mostra que a maioria dos homens não sabe o que é machismo

Estudo teve como objetivo colocar o assunto em pauta,...

‘Sou livro sem letra’, diz poetisa de 86 anos ao entrar pela 1ª vez em escola

Ela aprendeu a ler e escrever escondido e via...

Toda cisgeneridade é a mesma? Subalternidade nas experiências normativas

Nesta semana aconteceu o I Seminário Queer no SESC-SP e o...

para lembrar

Ovodoação: Por que algumas mulheres recorrerem ao procedimento

A ovodoação consiste em fertilizar óvulos de mulheres com...

Sobre esse momento na Terra…

“Meus estimados: Não desanimem. Nós fomos feitos para estes...

Jovem agredido ao sair de balada no ABC sai do coma e grava vídeo: ‘Estou bem’

Roger Passebom Júnior, de 22 anos, foi espancado por...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=