Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

'Línguas africanas que fazem o Brasil' está no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo


Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam “Tindolelê” na rua.

A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método e as palavras em negrito dão uma dica: mostram como, a partir da linguagem (mas não só), nosso cotidiano é atravessado até a última fibra pela herança africana.

Identificar e reconhecer esse legado —impregnado de familiaridade, mas também de invisibilização— é um dos propósitos de “Línguas africanas que fazem o Brasil”, exposição com abertura hoje (24) e em cartaz até janeiro, no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

Obras com palavras de origem africana na exposição ‘Línguas africanas que fazem o Brasil’, no Museu da Língua Portuguesa – Foto: Guilherme Sai

“Língua é modo de existir, e o léxico luso-brasileiro é, antes de tudo, estruturalmente, africanizado e indigenizado”, diz à Folha o curador da exposição, o filósofo e músico Tiganá Santana. “Grande parte da população brasileira sabe menos sobre as origens africanas desses vocábulos do que se poderia supor. A colonialidade e o racismo trabalharam (e trabalham) sobre esses cortes e dissociações”, pondera.

Mas não só de palavras derivadas de troncos linguísticos negro-africanos, como o iorubá, o eve-fom e as do grupo bantu, se compõe esse panorama das muitas escritas trazidas da África, que ganharam novas reverberações em solo brasileiro —da religião à música, da vestimenta à arquitetura.

Conjugações

“Línguas africanas” apresenta 15 termos oriundos do continente, impressos em estruturas ovais de madeira, mas também 20 mil búzios, suspensos e distribuídos pelo espaço expositivo. Além disso, nas paredes, vários adinkras remetem ao sistema de escrita do povo ashanti, com símbolos que nos impactam pela óbvia onipresença em portas e janelas de casas Brasil afora.

Fotos de gradis com motivos adinkras que estão na exposição ‘Línguas africanas que fazem o Brasil’ – Foto: Guilherme Sai

Em diálogo com essas muitas grafias, também há obras do artista plástico baiano J. Cunha, videoinstalações da artista visual fluminense Aline Motta e esculturas da criadora baiana Rebeca Carapiá.

A exposição mostra ainda como canções populares do país foram criadas a partir da integração entre línguas africanas e o português; textos de Lélia Gonzalez —e o uso do “pretuguês” cunhado pela intelectual; e registros de manifestações culturais afro-brasileiras e de entrevistas com pesquisadores.

“Quisemos informar sobre a construção da cultura brasileira a partir dos pensares, práticas e línguas africanas”, define Santana. “Desfazer imaginários que diluam essa centralidade ética e epistemológica afrorreferente.”

Parede da exposição ‘Línguas africanas que fazem o Brasil’ adornadas por adinkras, símbolos utilizados como sistema de escrita pelo povo ashanti – Foto: Guilherme Sai

+ sobre o tema

‘Pantera Negra’ é indicado ao Oscar de Melhor Filme

A produção da Marvel entra para a história como...

Thaíde lança livro e fala sobre o preconceito

Rapper reúne letras de músicas para comemorar 30 anos...

MARÍLIA: UI realiza Semana da Consciência Negra

Fonte : Lucas Tavares   A história e...

para lembrar

spot_imgspot_img

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...
-+=