‘Decidi ser linda’: Albina conta como superou preconceito para virar top model

Desfilando as roupas de um conhecido estilista da África do Sul, a advogada e modelo sul-africana Thando Hopa, que é albina, é hoje uma referência para crianças vivendo com albinismo no país. Em depoimento à BBC, ela conta como superou o preconceito e discriminação sofridos na infância e “decidiu”, um dia: “Vou ser estonteantemente linda”.

Do Ceert 

O albinismo – transtorno genético caracterizado por falta do pigmento melanina na pele, cabelos e olhos – é relativamente raro na maior parte do mundo. Estatisticamente, entre uma em 17 mil e uma em 20 mil pessoas são albinas.

No entanto, índices do transtorno em algumas regiões africanas são bem mais altos. Segundo estimativas, uma em cada 4 mil pessoas na África do Sul seria albina e, na Nigéria, o índice seria de um albino em cada 5 mil habitantes.

Na Tanzânia, porém, a incidência do transtorno seria bem mais alta. Segundo estudo publicado em 2006 pela revista científica BMC, uma em cada 1.400 pessoas no país seria albina. O cálculo foi feito com base em dados incompletos mas, se for correto, haveria na Tanzânia uma população de mais de 40 milhões de pessoas, cerca de 30 mil albinos.

Especialistas suspeitam que maiores índices de albinismo estejam associados a uma maior incidência de casamentos consanguíneos em uma população.

Em vários países africanos, pessoas albinas tendem a ser discriminadas pela sociedade e até por suas próprias famílias. Casos de infanticídio de bebês albinos são comuns e muitas famílias deixam de enviar filhos albinos à escola por acreditarem que suas chances de conseguir emprego são mínimas.

Na Tanzânia, onde muitos acreditam que partes de corpos de albinos tragam poder e sorte, pessoas com albinismo são mortas e seus corpos usados em rituais supersticiosos.

Com seu trabalho, Hopa espera combater a ignorância e oferecer um modelo positivo para jovens crescendo com albinismo na África hoje.

A seguir, o depoimento de Hopa:

‘Nunca vi uma menina tão linda’

“Desde muito pequena, meus pais sempre se esforçaram para que eu não me sentisse diferente. Mas, infelizmente, quando fui à escola e fui apresentada à sociedade, crianças, em particular, começaram a agir de forma estranha em relação a mim. Me xingavam, não queriam tocar em mim. Depois, comecei a perceber que mesmo pessoas bem mais velhas faziam coisas que eu não entendia. Cuspiam quando eu passava. Me disseram que era para evitar má sorte.

Um dia, aconteceu uma coisa muito estranha. Acho que eu tinha sete anos, estava voltando da escola. Uma mulher parou e começou a gritar: ‘Meu Deus, é a filha do diabo, o que ela está fazendo comigo?’

Nunca me senti tão isolada. Naquele momento, me dei conta de que ela estava falando de mim. Aquilo me afetou tão profundamente que quando cheguei em casa disse à minha mãe que não queria mais ir à escola.

Eu não disse por quê. Mas o que mais me incomodava era que eu tinha sido criada com um forte senso de comunidade e eu não entendia como essa comunidade permitia que eu passasse por aquilo e ninguém repreendia essa mulher.”

Alguma coisa na criação que Thando Hopa recebeu, no entanto, permitiu que ela resistisse às agressões e insultos.

150820142117_sp_thando_hopa_2_439x549_cortesiashawmedia

“Minha mãe nunca disse nada, nunca sentou comigo para me preparar ou dizer coisas do tipo: ‘Você vai começar a escola, você tem uma aparência diferente.’ Acho que essa foi a forma que eles encontraram de me educar. Não queriam que eu me sentisse diferente.

Quando comecei a perceber, e as inseguranças começaram a aparecer, corri para o meu pai. Chorava, chorava, e dizia: ‘Por que não sou igual a todo mundo? ‘Ele respondia: ‘Mas você é tão linda, nunca vi uma menina tão linda como você!’ E eu respondia: ‘Não, você está mentindo, você está mentindo!’ Mas ele repetia a mesma coisa, continuamente. Nunca parou. E embora eu não estivesse consciente na época, acho que isso me fortaleceu.

 

+ sobre o tema

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

para lembrar

Inscrições para o Sisu começam nesta quinta (16); tire dúvidas

Começa nesta quinta-feira (16) o período de inscrições para...

Decisões do STF contra censura em escolas é tema de campanha nas redes sociais

A Ação Educativa, em articulação com diversas entidades que...

ProUni 2011: Inscrições Começam em 19/01

As inscrições para o Prouni 2011 – Programa...
spot_imgspot_img

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...
-+=