Denúncia é peça-chave contra crimes de racismo

Até novembro de 2016, Minas Gerais anotou 301 processos por injúria racial

Foto: João Godinho

Por Letícia Fontes Do O Tempo

A cabeleireira Taciane Cristina Souza Pires, 28, acreditava estar acostumada aos comentários maldosos e indiscretos sobre seu cabelo. “Alisei meu cabelo a vida inteira, mas tem uns seis anos que decidi que queria me sentir mais eu. Porém, no dia a dia, o preconceito existe. As pessoas olham e apontam”, diz. Taciane foi agredida com um tapa no rosto e chamada de “macaca” por um advogado de 70 anos, nessa segunda-feira (19), no centro da capital. De acordo com a Polícia Civil, até novembro de 2016, Minas Gerais registrou 301 processos de injúria racial e cem casos de racismo. Em 2015, foram 113 registros de racismo e 336 de injúria racial, o que mostra certa estabilidade.

Apesar disso, nessa terça-feira (20), no Dia Internacional Contra a Discriminação Interracial, a delegada de Coordenação de Direitos Humanos da Polícia Civil, Elisabeth Martins de Morais, afirmou que a realidade dessas denúncias tem mudado. “A maior dificuldade é quando as pessoas não denunciam, o que é extremamente importante para combatermos esse tipo de comportamento. Mas, felizmente, as pessoas estão mais conscientes. O que antes era aceito como uma brincadeira, hoje não pode mais”, ressaltou.

Depois de o caso ser denunciado, o advogado foi liberado mediante pagamento de fiança de R$ 1.000. Para Taciane, a legislação atual é falha. “Há muitas falhas, é preciso mais rigor. Me senti desamparada”, desabafou.

A pena prevista para os crimes de racismo é a reclusão de um a três anos e multa, além de ser inafiançável. Já para os crimes caracterizados como injúria racial, a pena é detenção de um a seis meses ou multa e pagamento de fiança. Segundo a delegada, a sensação de que a lei é branda não procede.

“Ninguém pode ficar preso eternamente antes de ser julgado, então, em casos de racismo, às vezes, as pessoas são soltas até o julgamento. Todos os casos denunciados, seja de injúria ou racismo, são apurados e investigados”, disse.

Pessoas vítimas de algum crime e que acreditam que a motivação tenha sido em virtude da cor de sua pele podem solicitar ao policial, durante o preenchimento da ocorrência, que se registre como preconceito de raça, cor ou etnia a causa presumida do fato. Na capital, de janeiro a novembro de 2016, foram registradas 54 ocorrências nesse quesito.

Delegacia. Para denunciar crimes de racismo e injúria racial, basta ir a qualquer delegacia. Em BH, a Coordenação de Direitos Humanos atende na rua Bernardo Guimarães, 1.571, no Lourdes.

Racismo. O crime de racismo está previsto na Lei 7.716/89 e ocorre quando as ofensas praticadas pelo autor atingem toda uma coletividade, um número indeterminado de pessoas, ofendendo-as por sua raça, etnia, religião ou origem. A pena prevista é de um a três anos de prisão e multa.

Injúria. O crime de injúria está previsto no artigo 140 do Código Penal e está associado ao uso de palavras depreciativas referentes à raça ou à cor com a intenção de ofender a vítima. O autor, nesse caso, atinge determinada pessoa. A pena prevista é de um a seis meses de detenção ou multa.

A arte usada como forma de reflexão

Com o objetivo de trazer a arte para a reflexão do tema, até sexta-feira, no pátio do Detran, na avenida João Pinheiro, no bairro Funcionários, na região Centro-Sul da capital, a Polícia Civil apresenta a exposição “Invisibilidade Social”. A mostra traz fotos do artista Felipe Soares, que realizou uma pesquisa de um homem negro subjugado nas ruas da cidade grande. As cenas visam mostrar a invisibilidade social.

Para a coordenadora de Direitos Humanos, Elizabeth Martins, a preocupação da Polícia Civil é atuar principalmente na prevenção e na conscientização dos direitos. “É muito importante que tudo comece com a educação da população, então, é muito importante esse espaço, para que as pessoas conheçam seus direitos”, afirma.

Aproximadamente mil pessoas passam pelo local diariamente. A exposição estará no hall de entrada das 8h às 17h.

+ sobre o tema

‘Pare de perguntar se filha é minha porque sou negra e ela é branca’

Desde o dia em que nasceu, minha filha Bonnie...

Mais de 10 mil protestam na Itália contra racismo

Em Florença, um militante de extrema direita matou dois...

Sindicato dos aeroviários denuncia empresa por racismo no RS

O Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre afirmou, por...

para lembrar

Jogadores de time alemão se transformam em ‘negros’ em protesto contra racismo

Os jogadores do Deinster SV, time semi-profissional da Alemanha, apareceram...

Defensora denuncia expropriação de território quilombola no Brasil

Plataforma Dhesca Isabela da Cruz nasceu e cresceu na Comunidade Quilombola...

Grupo de trabalho OAB/RJ para combate ao racismo terá atividades voltadas a casos na internet

O combate à disseminação do preconceito na internet será...
spot_imgspot_img

Portões da universidade

"Nós queremos é que uma filha de uma empregada doméstica possa ser médica, possa ser dentista, possa ser engenheira. Nós não queremos uma sociedade...

Desaparecidos assombram país mesmo após redemocratização

Quando o presidente Lula assinou o decreto de reinstalação da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, no início de julho, emergiu como prioridade na retomada...

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...
-+=