Depois de um mundo confinado, a hora das máscaras

Enviado por / FontePor AFP, no UOL

Qualificada como inútil, agora é indispensável: o uso de máscara para conter o coronavírus se espalha pelo mundo à medida em que começa o desconfinamento.

Este é um panorama mundial das recomendações dadas pelas autoridades no mundo, realizado pelos escritórios da AFP.

– Obrigatório em todo o país – Mais de 50 países exigem agora que seus cidadãos cubram parte do rosto quando saem de casa, principalmente em transportes públicos e nos comércios.

Na América Latina, cobrir o nariz e a boca é obrigatório em lugares públicos na Colômbia, Equador, Venezuela, El Salvador e Cuba. Na Argentina, Chile e Uruguai, a regra não abrange os transportes, nem comércios. A máscara será obrigatória em Honduras a partir de 3 de maio.

Na África, Camarões impôs o uso da máscara em 9 de abril e foi acompanhado por Gabão, Guiné, Ruanda, Guiné Equatorial, Zâmbia, Etiópia, Libéria, Serra Leoa, Quênia, Burkina Faso, Angola e Benin. Outros como África do Sul e Nigéria irão aderir no início de maio.

No entanto, a regra está longe de ser respeitada sistematicamente em alguns países, por ceticismo ou falta de máscaras.

Por exemplo, Chade, que havia decretado o uso obrigatório, voltou atrás devido à escassez.

Em outros países, quem violar a regra corre o risco de ser preso, como na Libéria e Guiné.

Na Europa, o uso de máscaras foi imposto ao público na Bulgária, Geórgia, Luxemburgo, Polônia, República Checa e Ucrânia. Mas é limitado a lugares públicos fechados, transportes e comércios na Áustria, Eslovênia, Romênia e Lituânia.

Na França, será obrigatória nos transportes a partir de 11 de maio e recomendada para fazer compras. Na Alemanha, o uso obrigatório de máscaras ou lenços será estendido para transportes públicos e comércios.

No Oriente Médio, Israel, Líbano, Barém e Emirados Árabes Unidos optaram por essa medida nos espaços públicos. Catar limitou ao local de trabalho e a determinados comércios, assim como a Turquia.

– Obrigação variável – No Paquistão, várias aglomerações e províncias declararam obrigatório o uso da máscara, embora o governo federal apenas o recomende. Mas muitos as reutilizam ou usam máscaras inadequadas.

Na China, não há uma recomendação geral, mas é necessário cobrir a boca e o nariz em algumas circunstâncias, principalmente em locais públicos lotados.

Indonésia pede encarecidamente a seus cidadãos que usem máscaras ao sair, mas o uso é obrigatório apenas em determinadas regiões. As mesmas disposições são dadas no Brasil, México e na Índia.

Na Rússia, o uso da máscara é recomendado a nível nacional e é obrigatório em algumas regiões, mas não em Moscou.

Na Itália, somente Lombardia, a região mais afetada pela epidemia, impôs cobrir o nariz e boca ao sair. No restante do país, o uso é opcional, com exceção de alguns grupos de pessoas.

Muitas metrópoles como Délhi, Manila, Lagos, Kinshasa, Nova York e Bombaim exigem uma proteção.

– Recomendado – A máscara é recomendada em países como Bolívia, Tanzânia, Bangladesh, Tunísia, República Centro-Africano, Maldivas, Jordânia e Mali.

Na Europa, é recomendada na Estônia e na Grécia.

Na Espanha, o uso é recomendado quando não é possível respeitar as distâncias de segurança no trabalho, nas lojas, nos espaços fechados e na rua. Dez milhões de máscaras foram distribuídas nos transportes públicos em 13 de abril, quando muitos trabalhadores voltaram ao trabalho.

Na Ásia Central, se recomenda em geral o uso de máscara, exceto no Usbequistão, onde é obrigatório.

– Automático – Em muitos países de Ásia, o uso de máscaras é um costume ancorado na sociedade, por exemplo durante a gripe de inverno e a febre do feno na primavera. Seu uso durante a COVID-19 foi automático.

É o caso da Coreia do Sul e do Japão. No entanto, houve escassez nestes países devido à grande demanda.

No Afeganistão, onde se recomenda a máscara, o uso é muito praticado nas cidades, inclusive nas mesquitas. Já era utilizada antes para se proteger da contaminação e pelas mulheres para cobrir o rosto.

– Opcional – Cerca de trinta países (Canadá, Arábia Saudita, países escandinavos, Austrália, Nova Zelândia…) deram total liberdade a seus cidadãos.

Vários países africanos (Malawi, Botsuana, Comores, Lesoto, Namíbia, Burundi, Somália, Sudão do Sul, Djibuti, Eritreia, Uganda) e europeus (Holanda, Reino Unido) não emitiram nenhuma ordem.

Na Irlanda, o governo acredita que o uso não ajuda provavelmente em nada, a não ser que esteja doente.

burs-fm-ber/cds/app/maraa

+ sobre o tema

Coalizão de entidades lança campanha por mais negros nos parlamentos

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de...

Kenarik Boujikian é nomeada para a Secretaria Nacional de Diálogos Sociais da Presidência

A desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) Kenarik...

Precarização do trabalho rural impacta mais pessoas negras e mulheres

Um relatório da Oxfam Brasil indica que mulheres e pessoas negras...

Em Ceilândia, Anielle Franco anuncia R$ 1,6 milhão para organizações

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, anunciou, nesta...

para lembrar

Democracia no fio da navalha

Trump deixa como legado de sua insanidade ególatra não...

Deputadas do PCdoB afirmam que votarão contra a PEC 37

As deputadas do PCdoB Jô Moraes (MG) e...

Boaventura: “chegou a hora de uma nova esquerda”

Golpe no Brasil revela revanchismo das elites – mas...

Mentira de Bolsonaro sobre jornalista é liberdade de expressão, diz defesa

A defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recorreu ao STJ...

OABRJ levará absolvição dos policiais no caso João Pedro ao STF

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OABRJ) levará o caso da absolvição dos policiais na morte do jovem João Pedro...

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito entusiasmado com a iniciativa do STF  de, ao invés de simplesmente decidir pela inconstitucionalidade daquilo que...

Mães de vítimas da violência policial em SP, RJ e BA vão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos denunciar o Estado brasileiro

Representantes de movimentos de mães de vítimas da violência do Estado e organizações de direitos humanos como Anistia Internacional, Conectas Direitos Humanos, Instituto Vladimir...
-+=