Deputada é impedida de assinar lista de presença na Alesp: ‘racismo puro’

Enviado por / FonteO Globo, por Bianca Gomes

Episódio não foi o único: no dia da cerimônia de posse, Thainara Faria foi impedida de entrar no plenário da assembleia. Parlamentar pedirá sindicância interna

A deputada estadual Thainara Faria (PT) denunciou nesta sexta-feira ter sido vítima de racismo na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). A parlamentar, que é uma mulher negra, conta que foi impedida por uma servidora de assinar a lista de presença dos deputados. Na cerimônia de posse, Thainara já havia passado por mais de dez episódios de racismo.

– Eu passei três horas numa solenidade belíssima da deputada Leci Brandão. Eu estava sentada aqui, com uma placa escrito deputada Thainara Faria. Quando desci da Mesa e fui assinar os livros de presença, a servidora falou: “não, esses livros são só para deputados”. Eu mostrei o bóton (de identificação de parlamentar), assinei o livro e fui dar entrevista para a TV Alesp, momento em que ouvi a servidora reclamando para outra deputada: “é difícil” – relatou Thainara em discurso na tribuna. – Eu voltei e falei para a servidora: é difícil ser confundida todos os dias nessa Casa.

A deputada contou que, pela manhã, pediu para as suas assessoras solicitarem o bóton de identificação de parlamentar que ela havia esquecido em casa. Num primeiro momento, negaram o pedido, mas após resistência, ela acabou recebendo o acessório de cor amarela.

– Eu pedi o bóton para que eu não precisasse passar racismo. Porque não estão acostumados com uma mulher preta, jovem, de 28 anos, circulando por essa Casa. Eu sabia que por estar de trança seria confundida, queria evitar esse tipo de situação – disse a parlamentar, que chorou na tribuna. –Dói muito toda hora sofrer racismo. Quando não dói, ele mata. E eu não quero que mais ninguém passe por isso – completou.

Em nota, a deputada disse que enviará ao presidente da Alesp, deputado André do Prado (PL), um requerimento para abrir uma sindicância interna para investigar o ocorrido.

Também em nota, André do Prado se solidarizou com a deputada e disse que determinou “de imediato” providências ao Secretário Geral Parlamentar, que substituiu a funcionária pública envolvida no episódio. O caso será avaliado em âmbito administrativo.

Racismo na posse

O episódio de racismo desta sexta-feira não foi o único que a deputada passou desde que assumiu o cargo, em março.

–Eu venho sofrendo racismo nessa Casa. Na posse, uma policial e uma servidora pediram para que eu liberasse o caminho para que os deputados pudesse passar. Me confundiram várias vezes com outras pessoas. Só na posse foram mais de dez vezes que passei por situações de racismo – relata a deputada.

Mesmo após falar que era uma deputada eleita, sua entrada não foi permitida. Thainara só conseguiu entrar no plenário para tomar posse após a intervenção de outros funcionários.

+ sobre o tema

Carta de Mãe Beata de Yemonja a Marina Silva

Prezada Marina Silva, pretensa candidata à presidência da Republica...

Mais postura racista nas capas de Revistas

Indianos criticam revista por clarear pele de atriz   A Revista...

para lembrar

Racismo pode virar crime hediondo no novo Código Penal

  O racismo e o tratamento de trabalhadores como...

Torcedor com tatuagem nazista é flagrado durante jogo em Manaus

Um torcedor com uma tatuagem de um símbolo nazista chamou...

Mecânico morre após ser agredido por policial militar em São Paulo

O mecânico Eduardo Alves dos Santos, 42 anos, morreu...

Cotas, o branqueamento e a discriminação racial

Durante a última semana, houve bastante repercussão sobre a...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=