Deputado Leréia PSDB-GO chamou policial de ‘macaco’ mandou que ele ‘procurasse um pau para subir’

O deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) foi acusado hoje de racismo praticado dentro do Congresso. A Polícia do Senado vai investigar a ocorrência, que teve como alvo um servidor público. O boletim de ocorrência informa que o Leréia chamou o policial de pele negra de “macaco” e que mandou que ele “procurasse um pau para subir”, antes de se dirigir do plenário para o cafezinho dos senadores.

A ofensa, de acordo com o documento, começou quanto o policial, que trabalha no Senado e não na Câmara, pediu ao deputado que se identificasse. Irritado, Leréia respondeu que o servidor deveria saber quem era ele ou que, então, “procurasse na Internet porque ele não iria se identificar”. E repetiu a sugestão de “procurar um pau para subir”, ofensa testemunhada de perto por dois senadores. Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) pediu ao policial que “não retornasse mais a falar com o cidadão que se dizia deputado”. “Foi feio, o segurança usou a prerrogativa, mas ele não quis se identificar”, lembrou Valadares. Já o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) entendeu que o policial falou com o deputado num tom elevado de voz e com o dedo em riste. “Eu teria dado voz de prisão” (contra o servidor), disse o senador peemedebista.

O boletim de ocorrência registra que não foi esse o primeiro envolvimento de Carlos Alberto Leréia numa ocorrência no plenário do Senado. Na ocasião anterior, ele teria mandado outro policial “tomar no c…”.

O deputado confirmou ter dito “vai catar um pau para subir” ao funcionário. Mas negou tê-lo chamado de macaco e alega que não tem de se identificar para entrar no plenário. “Ele queria que eu mostrasse a identidade”, protestou, dizendo que acha desnecessário até mesmo usar na lapela o broche de parlamentar. “Não vou mostrar a identidade no Congresso, se broche for a maneira de entrar aí (plenário), é só mandar fazer (um broche). Radialista, Leréia disse que mandou seus advogados entrarem com uma representação contra o policial. Já o diretor-geral da Policia do Senado, Pedro Araujo, informa que, se confirmados, os fatos constarão da representação que será encaminhada à corregedoria do Senado, à qual compete pedir providências à corregedoria da Câmara dos Deputados.

Fonte: Diário do Grande ABC

+ sobre o tema

Ator de Pantera Negra faz discurso inspirador em universidade americana

'Use sua educação para melhorar o mundo', disse Chadwick...

Carrefour promete implantar políticas de Ações Afirmativas

Depois do lamentável e criminoso incidente que envolveu Januário...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula...

Comissão da Uepa vai ‘julgar’ professora acusada de racismo

Em no máximo 30 dias, Universidade deverá divulgar a...

para lembrar

Raquel Rolnik – O novo mapa dos homicídios no Brasil

Estatísticas indicam: violência recuou sensivelmente em SP e RJ,...

LGBTs negros que criaram gangue armada para se proteger tentam deixar vida de violência para trás

“Se ninguém vai nos defender, nós vamos nos defender...

Nota contra a violência policial: após protestos polícia realiza chacina na Maré

  As favelas da Maré foram ocupadas por diferentes unidades...

Corpos de jovens encontrados em SP e o sistema de justiça genocida

“Ei, acabo de tomar um enquadro ali. Os polícia...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=