Show com piada racista termina em confusão na zona sul de SP

“Ai um comedia-comediante disse no palco de uma noite chamada PROIBIDÃO na casa Kitsch Clûb:

Quando o Gianecchini ficou doente, falaram q ele tava com AIDS…

Só porque o cara é viado falam q ele ta com AIDS?

Bom, todo mundo diz que a AIDS veio do macaco, o que é mentira porque senão eu tinha Aids

Afinal eu sempre como um macaco!

( Ai o comediante Felipe Hamachi vira para o tecladista Rapha DanTop que esta no palco com a banda e diz em tom referencial para ele )

– Não é mesmo? (Como se ele fosse o macaco)

Luz na cara do preto! E todos Riem!

Ele, o Rapha, chama a policia, mas todos na balada dizem que ele esta errado, que o preconceituoso é ele

E a policia o aconselha a deixar por isso mesmo.

Até quando temos que tolerar isso? “

Jairo Pereira


Entenda o caso

 

Acabou em confusão a primeira edição do “Proibidão”, show de stand-up no qual comediantes fazem piadas preconceituosas contra negros, gays, deficientes e mulheres.

Um músico da banda que fazia as vinhetas entre uma apresentação e outra se sentiu ofendido por uma piada racista contada pelo humorista Felipe Hamachi.

Negro, o tecladista chamou a Polícia Militar. Após muita conversa, a confusão foi resolvida ali mesmo, sem a necessidade de registrar um boletim de ocorrência.

CARTA ANTIOFENSA

O show aconteceu na noite de anteontem, no Kitsch Club, zona sul paulistana.

Já na entrada, as pessoas tinham de assinar um termo de compromisso, confirmando que não ficariam ofendidas com nada que fosse dito.

A plateia era formada por pessoas de várias idades. Havia negros e mulheres. Entre os comediantes estavam Danilo Gentili, Fábio Rabin e Luiz França. Alexandre Frota era o apresentador.

A confusão ocorreu no momento em que o humorista Hamachi disse que não se pega Aids em relações sexuais com macacos e, em seguida, dirigiu olhares para o tecladista insinuando que mantinha uma relação com ele.

O músico, que não havia assinado o compromisso de “não ofensa” que é imposto ao público, abandonou o palco e chamou a polícia, que foi ao local. Amigos, companheiros da banda e funcionários tentaram acalmá-lo.

À Folha Alexandre Frota disse não ter percebido o ocorrido, pois não estava no palco no momento. Ele disse acreditar que o público se divertiu com a noite e até aplaudiu de pé. “Ninguém agrediu ninguém na rua ou dentro de um bar. É feito no palco.”

O sócio majoritário do Kitsch Club, Marcelo Szykman, disse que não esperava tal reação. Segundo ele, a função da comédia é “provocar reflexão e quebrar mitos e tabus”.

Em sua página do Facebook, Hamachi disse: “A única pessoa com quem brinquei no show era a única que não estava avisada do que aconteceria ali e isso causou mal-estar, que foi resolvido depois de muita conversa e de eu pedir desculpas para a pessoa”.

A Folha não localizou o músico, que é conhecido como Rapha “Dantop”.

 

Fonte: Advivo

+ sobre o tema

Pedagogia de afirmação indígena: percorrendo o território Mura

O território Mura que percorro com a pedagogia da...

Aluna ganha prêmio ao investigar racismo na história dos dicionários

Os dicionários nem sempre são ferramentas imparciais e isentas,...

Peres Jepchirchir quebra recorde mundial de maratona

A queniana Peres Jepchirchir quebrou, neste domingo, o recorde...

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe

Dados do Ministério da Saúde mostram que apenas 22%...

para lembrar

O apoio turco às vítimas do racismo na Alemanha

Depois dos atentados racistas contra a famíla Yigit, na...

Denúncias de racismo abalam Departamento de Bombeiros de NY

O Departamento de Bombeiros de Nova York (FDNY), uma...

Comissão diz que não houve ato ilícito da Justiça ao algemar advogada negra

Desembargador também inocentou a juíza que pediu a prisão...

‘Lá nunca mais volto’ – SEU JORGE sofre racismo na Itália – áudio

Entrevista concedida ao produtor Van Damme, da Beat98 Seu...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=