Descobrindo o feminismo em geração que cresceu com Xou da Xuxa

Nesses meus quase quatro anos na Universidade de Oxford, assisti e participei do que vem sendo chamado de repopularização do feminismo.

 

Temos discussões e eventos quase diariamente, revistas, blogs e até DJs feministas. Esse movimento, no entanto, foi criticado recentemente – e a crítica tinha razão – por ser exclusivo demais.

Ele não representava a experiência das mulheres que não faziam parte da elite branca, heterossexual e de classe média, o que acabava reproduzindo o sistema que oprime quem está fora desse clube.

A internet amplificou as vozes críticas. As tags #solidarityisforwhitewomen (“solidariedade é só para mulheres brancas”), e #lifeofamuslimfeminist (“vida de uma feminista muçulmana”) se espalharam pelo Twitter.

A crítica já começa a surtir efeito. Em janeiro, foram fundados os primeiros grupos feministas para mulheres negras estudando em Oxford, por exemplo.

 

Para entender essa tendência no Brasil, eu entrevistei Zaíra Pires, cofundadora do site Blogueiras Negras.

No site, experiências e opiniões diversas mostram que a vertente mais democrática do feminismo também está viva no Brasil.

Quem entrar ali encontrará depoimentos emocionantes, como o de Dulci Lima sobre o papel que sua mãe teve em sua consciência racial e como foi crescer como uma menina negra durante o apogeu do Xou da Xuxa.

Ou o interessante texto de Charô Nunes intitulado “Deixar de ser racista, meu amor, não é comer uma mulata”, com cinco elogios racistas que mulheres negras frequentemente ouvem.

E, mais especificamente sobre o tema deste blog, o texto de Márcia Vasconcelos sobre o que poderia ser chamado de racismo do feminismo tradicional.

Zaíra me explicou que o feminismo no Brasil também está mudando substancialmente. Atinge “mais pessoas, mais mulheres, se torna mais palatável, mais divertido e muito mais efetivo, uma vez que muito mais mulheres e homens têm a oportunidade de conhecer suas teorias”.

Zaíra credita as mudanças em parte ao poder da internet. “Blogs e redes sociais são plataformas poderosas”, disse. Aprendi muito com o site Blogueiras Negras nesta viagem ao Brasil.

Fonte: BBC Brasil

+ sobre o tema

Diversidade X Eurocentrismo e Patriarcado

Quem seriam os Outros ? O desenrolar das histórias...

República cola cartaz incentivando estupro e violência contra mulher

Após repercussão negativa, moradores e ex-moradores da república pediram...

Michaëlle Jean

Michaëlle Jean, condecorada com a Ordem do Canadá, Ordem...

O único medo de Nury, uma mulher negra que cresceu em Montevidéu, no Uruguai

Numa calçada de uma rua não muito movimentada, pelo...

para lembrar

Feministas denunciam machismo do Senado francês, com apenas 25% de eleitas

Duas entidades feministas acusaram o Senado francês de "machista"...

Lúcia Xavier lidera lista triplice para Ouvidoria Geral do RJ

Lúcia Maria Xavier de Castro, Pedro Daniel Strozenberg e...

Kiusam de Oliveira: o nome do movimento negro na literatura

Com quatro títulos lançados, escritora se consagra em lista...

Estatuto do Nascituro: sobre quem é esta conversa?

Nas últimas semanas, o Estatuto do Nascituro tem sido...
spot_imgspot_img

ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em...

Menstruação segura ainda é desafio no Brasil, indica Unicef

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), concluiu “que o direito de menstruar de maneira digna, segura e com acesso...

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...
-+=