Detida por suspeita de dirigir alcoolizada, americana argumenta com policial: ‘Sou branca’

Uma mulher americana presa após desrespeitar um sinal vermelho em alta velocidade, alcoolizada e com maconha no carro pediu à polícia que a liberasse por ser “uma garota limpa e de raça pura branca”, segundo relatório policial.

Da BBC

Cutshaw foi abordada após cruzar um sinal vermelho em alta velocidade. Ela tinha nível de álcool no sangue acima do permitido e não passou no teste de sobriedade (Foto BEAUFORT COUNTY DETENTION CENTER)

Um dos agentes que a abordaram, que é branco, afirmou que Lauren Cutshaw, de 32 anos, apelou a ele por um tratamento especial baseado em sua raça.

Quando questionada o que justificaria o pedido, ela respondeu: “Você é policial, você deve saber o que isso significa”, diz no relatório.

A mulher foi presa no sábado à noite e foi também acusada de posse de drogas.

Direção perigosa

Cutshaw foi parada pelos policiais depois de avançar por uma placa de pare a uma velocidade de 96 km/h, em Bluffton, na Carolina do Sul.

Quando foi abordada, ela argumentou que não deveria ser presa e listou motivos que iam além do fato de ser branca.

Ela disse aos policiais que tirou notas perfeitas a vida inteira, que foi líder de torcida, membro de uma irmandade na graduação, que se formou em uma “universidade altamente credenciada” e que seu parceiro era policial, de acordo com relatório policial cujo teor foi divulgado pelo site de notícias locais The Island Packet.

O documento registrava ainda: “Fazer afirmações como essas como meio de justificar não ser presa é algo incomum, de acordo com o que já ouvi em minha experiência como agente da lei, e acredito que demonstre o nível de embriaguez da suspeita”.

No momento da abordagem, o nível de álcool no sangue de Cutshaw estava em 0,18% – o limite legal é de 0,08% – e ela também falhou nos testes de sobriedade.

Seus olhos estavam vermelhos e vidrados e sua fala estava enrolada, segundo a polícia.

Ela teria dito aos policiais que só bebeu dois copos de vinho em um restaurante de luxo, onde estava comemorando o seu aniversário.

A polícia também encontrou maconha em seu carro. De acordo com o relatório, Cutshaw disse que “podia ​​ter” fumado mais cedo naquela noite.

Ela foi acusada no Centro de Detenção do Condado de Beaufort por dirigir alcoolizada, em excesso de velocidade e por porte de maconha.

+ sobre o tema

Alvo de racismo em metrô pede cadeia para torcedores do Chelsea

As imagens de um ato racista em um metrô...

Adélia dará queixa na delegacia de crimes digitais, no Rio, nesta sexta

'Me chamam de macaca, me mandam voltar pra selva,...

A perceção do racismo

Desde há muito, que entendo que a realidade e...

Polícia Militar de SP bate recorde de mortes na década

PMs responsáveis por patrulhar a capital mataram 36 pessoas...

para lembrar

Pega no meu power | Os homens que odiavam crianças pretas

Se não fosse meu filho. O senhor ia fazer...

Quando uma Globeleza sofre racismo no Carnaval

Agora que o Carnaval passou, novas histórias serão contadas. Será um...
spot_imgspot_img

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...
-+=