DF é a capital que mais registrou agressões contra mulheres em 2019

O Distrito Federal foi a capital que mais registrou casos de violência doméstica em 2019. De acordo com os dados do 14º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta segunda-feira (19/10), a capital federal teve 16.549 casos no ano passado — 7,1% a mais que em 2018.

De acordo com o art. 5º da Lei Maria da Penha, violência doméstica e familiar contra a mulher é “qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial”.

Neste cenário, ainda segundo o estudo, o DF fica à frente de cidades como São Paulo, que registrou 11.403 casos de violência doméstica em 2019; Rio de Janeiro, com 8.966; e Belo Horizonte, com 7.744.

Feminicídios e estupros
Além das agressões domésticas, Brasília foi a segunda capital com mais registros de feminicídios no país. Segundo os dados, foram 33 casos em 2019 contra 28 em 2018. O índice brasiliense fica atrás apenas de São Paulo, que registrou 44 ocorrências do tipo no ano passado.

No mesmo período, em relação aos estupros, o DF está em 5º lugar entre as capitais que mais registraram casos. A capital brasileira teve 756 casos e fica atrás de São Paulo (2.663), Rio de Janeiro (1.726), Curitiba (904) e Manaus (855).

O estudo
O levantamento do anuário é realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O estudo reúne dados das secretarias estaduais do Brasil dos casos que chegam a ser registrados pela Polícia Civil de cada estado. Além das violências contra mulheres, outro tipo de agressão que registrou aumento foi a morte por intervenção policial, dentro e fora de serviço. Foram dez casos na capital federal em 2019, contra cinco no ano anterior.

Mesmo com o aumento de casos de alguns tipos de violências, no DF, a maioria teve queda. Em todo o país, o DF registrou a menor taxa de homicídios por 100 mil habitantes. Os dados também mostram que os assassinatos tiveram queda de 8,3%.

Peça Ajuda
Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência; Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República
Telefone: 180 (disque-denúncia)

Centro de Atendimento à Mulher (Ceam); De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h; Locais: 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia, Planaltina

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam); Entrequadra 204/205 Sul – Asa Sul
(61) 3207-6172

Disque 100 ; Ministério dos Direitos Humanos

Telefone: 100

Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar**
Telefones: (61) 3910-1349 / (61) 3910-1350

 

Fonte: Por Samara Schwingel, do Correio Brasiliense 

+ sobre o tema

Pela primeira vez, bebê terá um pai e duas mães na certidão de nascimento

A decisão inédita foi do juiz diretor do Fórum...

Karol Conka e MC Carol vão lançar música juntas chamada “100% Feminista”

Se você achou incrível a apresentação da Karol Conka...

Lei impede que homens agressores de mulheres assumam cargos públicos em Natal

Agressores que foram julgados e condenados não poderão trabalhar...

Por que tantas jovens amam o método do ‘coito interrompido’

Em muitos aspectos, a época atual é excepcionalmente boa...

para lembrar

É muito bom ligar a TV e receber um “Bom Dia” da Fernanda Carvalho

A colonização alemã do estado do Rio Grande do...

Travesti é morto a tiros em São Bernardo do Campo

Vítima seria líder de outros travestis na região do...

ONU cobra mais esforços da Costa do Marfim no combate a estupro e violência de gênero

Novo relatório do Escritório de Direitos Humanos da ONU...

Não me chame de mulata

Por Jarid Arraes na Revista Fórum Eu começo este cordel Recorrendo ao dicionário Pois...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=