Diáspora Africana na Juventude: Cultura e Diversidade

Por Heliana Vilela

 

No âmbito das comemorações do Ano Internacional da Juventude, realizou-se no Sábado passado na Pousada de Juventude de Almada, o II Fórum Nacional de Jovens Descendentes de Imigrantes e da Diáspora Africana sob o tema “Cultura e Diversidade”. Nesse evento inaugurou-se o Centro Euro-Africano de Juventude.

A criação da Pousada de Juventude de Almada veio complementar a rede nacional de Turismo Juvenil, num edifício construído de raiz, colocando à disposição dos jovens mais uma estrutura com capacidade de 124 camas e outras valências que contribuíram para a promoção do intercâmbio e da mobilidade dos juvenil, é um dos melhores miradouros sobre Lisboa.

A Pousada de Almada, foi desde a sua criação, palco privilegiado e abrigo preferencial de um conjunto de actividades nacionais e internacionais emblemáticas, fazendo desta pousada um lugar que há muito entrou no imaginário do movimento juvenil nacional e internacional. Neste local tiveram particular destaque encontros relativos à cooperação Juvenil Euro Africana, da Lusofonia e da Diáspora Africana, sendo vários os processos juvenis que tiveram início nesta Pousada em 1998 com as reuniões Comité Executivo do Fórum da Juventude da CPLP, e do Comité internacional preparatório do Terceiro Fórum Mundial da Juventude do sistema das Nações Unidas. (CNJ, Fórum da Juventude da CPLP) do Comité internacional preparatório do Festival Mundial da Juventude e do Festival Mundial da Juventude da Costa da Caparica, foi do ponto de vista da mobilização juvenil e da sua diversidade a mais participada das actividades Juvenis Euro- Africanas ate hoje. (GAEP-SEJD).

Este II Fórum Nacional de Jovens Descendentes de Imigrantes e da Diáspora Africana organizado pelo Instituto Português da Juventude e o Conselho Nacional da Juventude em parceria com o Centro Norte Sul do Conselho da Europa e a ADYNE – African Diáspora Youth Network in Europe e com o apoio do Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural – ACIDI, promoveu a participação activa dos jovens descendentes da Diáspora, contribuindo para a criação de um espaço de diálogo entre as organizações de juventude de imigrantes e da diáspora africana em Portugal e outras organizações com experiência em projectos relacionados com o tema da imigração, de forma a maximizar o envolvimento e compromisso dos jovens na promoção de uma cidadania activa.

Já em 2007, com vista à criação de uma plataforma de diálogo e cooperação permanente entre as organizações de juventude de África e da Europa e no quadro da Presidência Portuguesa da União Europeia, realizou-se a Cimeira de Juventude África/Europa, onde se reforçou a cooperação juvenil euro africana. Esta é a mensagem dos jovens participantes, organizações de estudantes e associativas, com o objectivo de melhorarem as relações África/Europa, empenhados a envolver os jovens e as organizações de juventude, como actores da construção da paz, democracia e direitos humanos, numa consulta aberta, ampla e inclusiva promovendo o debate entre as diferentes organizações e a sua inserção na sociedade portuguesa. Contribuindo para o “reconhecimento da importância da participação dos jovens da diáspora e das organizações de juventude na definição e implementação das políticas de juventude no âmbito da cooperação euro africana e do desenvolvimento local”.

Mas o que é a Diáspora Africana? Diáspora Africana foi o movimento dos africanos e seus descendentes para lugares em todo o mundo – sobretudo para as Américas, e também para a Europa, Oriente Médio e outros lugares ao redor do globo. O termo tem sido historicamente aplicado em especial para os descendentes dos africanos que foram escravizados e embarcados para as Américas através do comércio atlântico de escravos, com a maior população no Brasil. Nos tempos modernos, também é aplicada aos africanos que emigraram do continente a fim de procurarem educação, emprego e melhor vida para si e para os seus filhos. As pessoas de África subsariana, incluindo muitos africanos, o número de pelo menos 800 milhões na África e mais de 140 milhões no Hemisfério Ocidental, representam cerca de 14% da população do mundo. Só em 2009 estavam registados no nosso país cerca de 270 000 mil.

Acredita-se que essa diáspora tem o potencial para revitalizar a África. E jovens empreendedores, associações juvenis e estudantis, ONG´s trabalham o empreendedorismo social como uma ferramenta a ser utilizada pela diáspora Africana a fim de melhorar o seu continente e contribuindo para a união e fortalecimento de relações e contributos no que respeita a politicas de juventude.

Num pensamento que deve sentir cada vez mais global, pois as fronteiras físicas já não existem e porque a cada dia construímos a história, é importante que todas as faixas etárias se envolvam nestes processos para que os jovens em conjunto com a entidades governamentais intervenham e façam parte de um conjunto de respostas e processos que afectam o desenvolvimento sustentável de todos/as.

 

Fonte: Satúbal na Rede

+ sobre o tema

Preto e dinheiro são palavras rivais???

Por Bruno Rico Do Afro21 Precisamos aprender a reconhecer algo histórico,...

“Para branco sempre tem espaço”, diz Vovô do Ilê sobre dívida do bloco afro

Bloco passa por momento complicado, com dívidas que chegam...

para lembrar

Para comunidade quilombola, trabalhar significa ficar longe da família

por Júlia Dias Carneiro Adelvan da Paixão, de 30...

Militantes do Educafro fazem greve de fome em frente ao Palácio do Planalto

Yara Aquino   Brasília - Cinco militantes do Educafro,...

Cúpula dos Povos: afro-religiosos debaterão justiça ambiental

  No mesmo período em que o Rio...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Com discurso de Lula e da ministra Anielle Franco no Fórum de Afrodescendentes na ONU, Geledés aponta que o Brasil está no caminho certo...

“Para Geledés, o Fórum Permanente de Afrodescendentes é extremamente importante, porque pode construir, no sentido mais amplo, compromissos de enfrentamento ao racismo global. Sobre...

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...
-+=