Dilma e Wagner participam em Salvador de homenagem às vítimas do holocausto

A libertação de prisioneiros do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, no sul da Polônia, em 27 de janeiro de 1945, foi lembrada neste domingo (29), em Salvador durante a cerimônia do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

A ministra da Igualdade Racial integrou a comitiva da presidenta Dilma Rousseff, em Salvador, na cerimônia em homenagem às vítimas do holocausto

O evento começou no final da tarde deste domingo (29), no Fórum Ruy Barbosa, e foi realizado pela Confederação Israelita do Brasil (Conib), em parceria com a Sociedade Israelita da Bahia (Sib). Participaram a presidente da República, Dilma Rousseff, o governador Jaques Wagner, a primeira-dama, Fátima Mendonça, a mãe do governador, Paulina Wagner, secretários de estado, entre outras autoridades.

Compareceram ainda ao evento a presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Telma Brito, o vice-governador, Otto Alencar, o presidente da Ordem dos Advogados da Bahia, Saul Quadros, a ministra da Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros e a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário.

A ONU (Organização das Nações Unidas) há sete anos estipulou o dia 27 de janeiro como o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que, além de comemorar a libertação dos judeus do campo de concentração, é um tributo às milhões de pessoas exterminadas pelo regime nazista durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Cerca de 20 mil negros foram mortos e, segundo a Conib, esse foi um dos motivos da escolha de Salvador para sediar o evento este ano, já que a cidade possui o maior número de afrodescendentes fora da África.

A escolha de Salvador para receber o evento foi elogiada pela presidente Dilma. “Parabenizo a Confederação Israelita do Brasil pela escolha de Salvador. Essa cidade foi palco de lutas históricas, tanto pela independência do Brasil, quanto pela abolição da escravatura. Salvador é símbolo de uma comunidade que rejeita a discriminação e tem uma imensa capacidade de acolher e respeitar a diversidade.”

O papel dos direitos humanos também fez parte do discurso da presidente. “O Brasil é a favor de todos os tratados de combate ao racismo, discriminação e intolerância religiosa. Sabemos que nossa sociedade ainda discrimina negros, homossexuais ou qualquer pessoa que considere diferente.

Porém as sociedades democráticas têm o poder de combater crimes como o holocausto para que eles nunca mais ocorram.” A presidente finalizou dizendo que “nações dignas só se constrõem com democracia, igualdade e tolerância religiosa.”

Dilma na Bahia

Após a cerimônia deste domingo, a presidente Dilma continua na Bahia e, nesta segunda-feira (30), ela vai a Camaçari acompanhada do governador Jaques Wagner, onde a presidente assina, às 9h30, na Cidade do Saber, a ordem de serviço para revitalização urbanística da Bacia do Rio Camaçari. As obras contam com investimento de aproximadamente R$ 274 milhões e fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento II, beneficiando 90 mil moradores.

 

 

Fonte: Seppir

+ sobre o tema

Consciência Negra e ternura dos povos

Neste dia 20 de novembro, comemora-se o Dia da...

Naturalizado russo, goleiro brasileiro é alvo de ofensas racistas em Moscou

O goleiro Guilherme Marinato, 31, foi alvo de ofensas...

Mistura ou Massacre? – Do Ponto de Vista de Abdias

Osmundo Pinho via Guest Post    “Duvido que haja biologista que...

para lembrar

Pais de jovens mortos ou desaparecidos relatam dramas

Mães e pais denunciam à Anistia Internacional uma série...

‘Constranger os racistas é mais que necessário’, afirma psicólogo

CORREIO ouviu o presidente do Conselho Regional de Psicologia...

Movimento Hip Hop terá 19 candidatos a vereador no Estado de SP

Informação foi dada durante 4º Encontro Nacional, realizado neste...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=