Dilma promete “o fim da opressão” às mulheres

Candidata diz que chegou ao cargo de maior relevância no governo como ministra da Casa Civil

Ao discursar sexta-feira à noite em encontro nacional de 600 mulheres do PDT, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, defendeu em Belo Horizonte a vitória de uma mulher nas eleições de outubro e prometeu “o fim da discriminação, desigualdade e opressão contra as mulheres”.

“Essa vai ser a campanha que vai levar pela primeira vez uma mulher à Presidência da República”, discursou Dilma às mulheres do PDT, partido que ela integrava antes de se filiar ao PT. A resposta foram gritos de “Dilma presidente”.

 

A petista disse que chegou ao “cargo de maior relevância dentro do governo” quando foi ministra da Casa Civil. “Não significa que a gente tem que se conformar [apenas] com isso”, disse.

 

Dilma listou o que chamou de “avanços” para as mulheres obtidos durante o governo Lula, como a criação da Secretaria de Políticas para as Mulheres, a Lei Maria da Penha e o fato de o Bolsa Família ser repassado em nome das mulheres das famílias beneficiadas.

“Atribuímos não ao homem, mas às mulheres, o recebimento do Bolsa Família. Quando se trata de família, o centro é a mulher”, afirmou Dilma. Ela prometeu melhorar a situação das creches do país e afirmou que o PAC 2 prevê a construção de 6.000 creches de 2011 a 2014.

 

Dilma criticou o governo do tucano FHC (1995-2002), sem citá-lo nominalmente. “Sabemos que nessa luta vai aparecer muita gente criticando, tentando que a roda da vida volte para trás. Nós nos livramos de um modelo que era de estagnação e desemprego”, afirmou. “[Agora] não nos curvamos às pressões que vêm de fora, quando nos submetíamos ao FMI.”

 

CULPA DO RIVAL

A pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, disse que seu opositor, o tucano José Serra, foi o responsável pelo endividamento do país no governo FHC (1995-2002). Ela participou de evento de agricultura familiar em Chapecó (SC). Questionada pela rádio Super Corá sobre a dívida pública, ela defendeu que “a economia do Brasil nunca esteve tão sólida”.

“Na época em que o meu oponente era ministro do Planejamento do Fernando Henrique, ele fez um altíssimo endividamento. Não fez superavit primário, fez deficit. Nós jamais fizemos.” Sobre segurança, disse que, se policiais não são bem pagos e treinados, “pode criar quantos ministérios quiser, não vai resultar na melhoria da segurança”. Serra prometeu criar ministério para a área.

 

 

Fonte: Diario do Pará

+ sobre o tema

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

para lembrar

Brasil sai da rota do investimento no 3º setor

Por: ANDRÉ PALHANO Pesquisa mostra que a redução no...

Quem É Ouro no Brasil

As fotos revelam que a principal fonte de medalhas...

Educadoras receberam a medalha da Ordem Nacional do Mérito

Presidente Dilma concede a professoras prêmio por atuação como...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...
-+=