Dilma reúne-se com Cristina Kirchner na Argentina

As presidentes da Argentina, Cristina Fernández Kirchner, e do Brasil, Dilma Rousseff, reuniram-se na tarde desta segunda-feira (31) na Casa Rosada, em Buenos Aires, para um encontro inédito, seguido de almoço oficial. Esta é a primeira vez que Dilma visita o país ou faz uma viagem internacional oficial desde que tomou posse, em janeiro.

As duas discutiram acordos para avanços nas relações bilaterais e na cooperação nas áreas de pesquisas científicas, tecnológicas e sociais. Elas devem assumir um compromisso de prosseguir com uma política comum para o desenvolvimento da região e maior espaço no cenário internacional.

Temas como o incremento da parceria entre o Brasil e a Argentina na área de energia nuclear, uma parceria para a construção de casas populares baseada na experiência do programa Minha Casa, Minha Vida, a construção do complexo hidrelétrico de Garabi (entre a província de Corrientes, na Argentina, e o Rio Grande do Sul) e a construção da ponte entre Santa Catarina e a Argentina também estão na pauta.

A presidente brasileira vem acompanhada de oito integrantes de seu gabinete que devem participar de reuniões paralelas com funcionários argentinos. Dilma volta para o Brasil ainda hoje.

Direitos humanos

A presidenta da Associação das Avós da Praça de Maio, Estela De Carlotto, disse que terá uma conversa “de mulher para mulher” com Dilma e irá compartilhar com ela experiências da luta contra a ditadura militar. As duas devem se encontrar na tarde de hoje, junto com representantes da Associação das Mães da Praça de Maio.

“Compartilhamos com ela a história de seu país, ela que foi vítima da ditadura militar brasileira e sabe o que fala quando o tema é direitos humanos. Dilma fez a gentileza de pedir o encontro e compartilhamos com ela nossas histórias de vida, de luta, de busca da verdade”, disse Carlotto.

Ao ser questionada se o Brasil deveria seguir o modelo de política de direitos humanos da Argentina, que está julgando e punindo os militares envolvidos em desaparecimentos e assassinatos durante a ditadura militar, ela respondeu que cada país deve seguir seu ritmo. “Não há uma fórmula, uma receita, cada país tem sua própria receita”.

O grupo das Avós da Praça de Maio buscam, sobretudo, encontrar filhos de militantes políticos que foram retirados dos pais e entregues a outras famílias durante a ditadura militar argentina. Estela é uma das avós que, há 33 anos, busca notícias do neto, desde que a filha dela, Laura, foi presa pelos militares quando estava grávida. Ao nascer, o bebê foi separado da mãe e, pouco tempo depois, já em liberdade, Laura foi assassinada. O encontro com as mães e avós da Praça de Maio foi pedido pela própria Dilma.

 

Fonte: Noticias.UOL

+ sobre o tema

Detenção de Mano Brown exemplifica a mensagem de Cores e Valores

Pedro Paulo Soares Pereira, 44 anos, também conhecido como...

A inteligência de cada um

Estudos mostram que a genética é crucial. Outros fatores...

Últimas tropas de combate dos EUA deixam o Iraque

Segundo redes americanas, tropas deixam o país em direção...

O transporte de tração animal no Central Park e no Sul de Minas

Sou aficionada por revistas e livros sobre animais de...

para lembrar

Justiça cassa 13 vereadores em São Paulo; advogado diz que lei não proíbe doações

Fonte:UOL - A Justiça Eleitoral de São Paulo cassou...

Machismo e racismo dentro e fora do BBB

por Karen Polaz de Blogueiras Feministas Não sou fã...

‘Demos mole’, diz fundador do PV sobre Rede de Marina Silva

  Alfredo Sirkis lamenta rejeição à criação do...

Maioria acha que Obama não mereceu Nobel

Fonte: Blog Sérgio Dávila - Pesquisa Gallup divulgada hoje confirma...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=