Dinamarca: líder neonazista em serviço da Guarda Real

Um dos principais líderes do partido neonazista dinamarquês realiza seu serviço militar na unidade responsável por proteger a família real, admitiram órgãos ligados as forças armadas do país neste domingo (08/11), confirmando relatos de um jornal dinamarquês.

Do Correio Braziliense 

Foto: Martin Lehmann/POLFOTO

Daniel Carlsen, de 19 anos, um membro ativo do Movimento Nacional Socialista Dinamarquês (DNSB) realiza o seu serviço militar no Livsgarde Kongelige, a Guarda Real, cujas tarefas incluem a guarda dos palácios da monarquia, disse à AFP o porta-voz o pessoal do exército dinamarquês.

 

“Na Dinamarca, temos liberdade de opinião, liberdade de entrada no exército e também a liberdade de integrar um movimento”, disse o porta-voz Kim Grunberger, quando perguntado sobre os riscos de um militante neonazista proteger a monarquia.

 

Ao contrário de outros países europeus, Dinamarca tolera a existência de um partido nazista que abertamente exibe a suástica em manifestações.

 

Em recentes declarações públicas, Carlsen disse que Adolf Hitler era o seu ídolo e que não acredita que os nazistas exterminaram os judeus.

 

Matéria original

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Olivier Rousteing: ‘A moda é racista’

Único negro à frente de uma grife de luxo,...

Revista Jackie – Após criar polêmica racista com Rihanna, editora de revista pede demissão

por Heloisa Toplian Comentamos por aqui o bafo envolvendo...

Procon-SP notifica shopping após mãe denunciar racismo

O Procon-SP notificou ontem o Bourbon Shopping São Paulo...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=