Diretor de jornal francês é condenado a prisão por racismo contra Christiane Taubira

O diretor do jornal de extrema-direita Minute foi condenado a dois meses de prisão com direito a fiança, além de uma multa de 10 mil euros, pela publicação de uma capa comparando a ministra da Justiça, Christiane Taubira, que é negra, a um macaco. Em primeira instância, o Tribunal de Paris havia determinado apenas que Jean-Marie Molitor pagasse a multa, mas a promotoria achou a pena leve demais e entrou com recurso.

entenda o caso: Revista francesa é multada por racismo

no RFI

Em sua edição de 13 de novembro de 2013, o jornal publicou uma foto da ministra, com o título: “Maldosa como uma macaca, Taubira reencontra a banana”. O tribunal julgou também um cartunista do jornal, David Miège, que assina uma charge publicada na mesma época. Nela, um macaco chora e um advogado, a seu lado, declara: “Meu cliente entra com uma ação por ter sido odiosamente caricaturado como a senhora Taubira”.

Miège foi considerado inocente, mas a advocacia geral também recorreu, exigindo prisão e multa de 5 mil euros contra o diretor do jornal e 2 mil contra o desenhista. O juiz apreciará o recurso no dia 17 de setembro.

Racismo recorrente

Pouco tempo antes dessas publicações, Chrstiane Taubira havia sido vítima desse mesmo tipo de injúria racista, em duas ocasiões diferentes. A primeira foi durante uma manifestação contra o casamento homossexual.

A outra partiu de uma ex-candidata da Frente Nacional (partido de extrema-direita), que compartilhou no Twitter uma charge com uma caricatura da ministra no corpo de um macaco. Anne-Sophie Leclère, que concorreu às eleições municipais de 2012 na região de Ardennes (norte), foi condenada a nove meses de prisão em regime fechado por um tribunal da Guiana Francesa, depois de denúncia de um partido guianense. Leclère entrou com recurso e aguarda a decisão, que será anunciada no dia 22 de junho.

Naquela ocasião houve uma onda indignação pelo país e a ministra denunciou “a extrema violência” desse discurso, “que nega (às vítimas) o direito de pertencer à espécie humana”. “Eu aguento o choque, mas é violento para meus filhos, meus amigos e todos aqueles que são diferentes”, completou Taubira.

+ sobre o tema

Racismo em Português, o lado esquecido do colonialismo

Mais do que fazer julgamentos sobre se o que...

ONG faz mapa interativo com mais de 180 instituições com sistema de cotas

Educafro mapeia políticas de ação afirmativa na educação desde...

para lembrar

Promotoria quer que empresária pegue 5 anos de prisão por frase racista no Facebook

Mulher disse entender "porque certas pessoas deveriam permanecer no...

Justiça decreta prisão de major envolvido no caso Amarildo

Outros três policias envolvidos no desaparecimento e morte do...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=