Miss Japão negra gera debate sobre racismo no país

Nas redes sociais, houve questionamento sobre se uma mestiça poderia representar os japoneses

Um concurso de miss no Japão vem gerando um debate no país que vai muito além das medidas das candidatas ou dos vestidos usados.

no BBC

A polêmica ganhou força logo após Ariana Miyamoto colocar a faixa de miss Japão. Tudo porque a jovem de 20 anos é mestiça – sua mãe é japonesa e seu pai, um americano negro.

A vitória de Ariana, que ocorreu em maio, trouxe à tona um problema que não é discutido abertamente no país: o racismo.

A própria jovem contou que decidiu participar do concurso depois do suicídio de um amigo, que também era mestiço.

“Ele tinha 20 anos e sofria com problemas de identidade”, disse ela à agência de notícias EFE. “Quando ele morreu, decidiu que tinha de fazer algo a respeito.”

Ariana é a primeira japonesa mestiça a representar o país no concurso Miss Universo. No Japão, os mestiços são chamadas de hafu (palavra que vem do inglês half, que significa “metade”).

Segundo Ariana, quando ela conta que é japonesa as pessoas não acreditam

Segundo o correspondente da BBC em Tóquio, Rupert Wingfield-Hayes, é dessa forma que os japoneses definem alguém que “não é estrangeiro, mas também não é completamente japonês”.

miss japão2

E Ariana diz conhecer bem essa situação. “Quando digo que sou japonesa, as pessoas não acreditam, dizem ‘ah, não pode ser'”, conta.

Sua vitória gerou uma onda de repercussões negativas nas redes sociais nipônicas. “É certo eleger uma hafu para Miss Japão?”, questionaram muitos internautas.

“”Me incomoda pensar que ela representa o Japão”, disseram outros.

Segundo o correspondente da BBC, a sociedade japonesa tem uma visão bastante limitada do que significa ser japonês.

“O que vejo nas ruas de Tóquio é algo muito monoétnico”, disse Wingfield-Hayes. “Os japoneses têm uma tendência em acreditar que são únicos, mas isso não é verdade: são uma mistura étnica, com coreanos, chineses.”

leia mais: A Miss Japão afro-descendente e sua importância histórica
As estatísticas mostram que o Japão já não é o país homogêneo que muitos acreditam.

Futuro heterogêneo

Uma em cada 50 crianças nascidas no país é mestiça, o que equivale a 20 mil bebês por ano. Para o correspondente da BBC, o Japão está mudando.

Mas atualmente, a visão predominante segue sendo conservadora.

Um exemplo disso é a pouca atenção dada pela mídia à vitória de Ariana.

“Definitivamente, eu recebo mais atenção de fora do Japão. Quando ando pelas ruas, nenhum japonês me reconhece, mas muitos turistas estrangeiros me param para me cumprimentar”, contou a missa à BBC Mundo.

A grande pergunta agora é o que acontecerá com Ariana se ela conseguir a coroa de Miss Universo, no concurso que ocorre no início de 2016.

+ sobre o tema

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

Estrela do Carnaval, ex-passista Maria Lata D’Água morre aos 90 anos em Cachoeira Paulista, SP

A ex-passista Maria Mercedes Chaves Roy – a ‘Maria...

Aos ‘parças’, tudo

Daniel Alves da Silva, 40 anos, 126 partidas pela...

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

para lembrar

Casos de racismo não podem ficar impunes

Fonte:Psol -   Os deputados Ivan Valente e...

Alerta Leblon: O racismo do bairro mais rico do Rio

Há alguns meses, uma página de moradores do Leblon...

Vogue Francesa é acusada de racismo

Fonte: eBand-   A revista Vogue francesa foi acusada de racismo...

Moda e Racismo

Como posso trabalhar com Moda no contexto das Relações...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=