Do outro lado do rio – Por: Fernanda Pompeu

Existiu um tempo na minha vida em que sonhei de maneira desavergonhada. Quando estudante de Cinema, sonhava que seria uma das mais brilhantes diretoras de filmes do Brasil. Depois, ao escrever meu primeiro romance (até hoje inédito) sonhava que ele seria um marco na literatura nacional.

O fato é que me projetar com sucesso era natural em mim. Não eram só devaneios. Estudei e trabalhei fundo para conquistar vitórias – acreditando minhas por direito. Nos meus anos de escritora de romance, pulava da cama às cinco e ia para o ringue com as palavras.

Eu ainda sonhava com parágrafos perfeitos dando conta da justa mensagem. Assim como idealizava leitores dispostos a trabalhar duro para merecerem o prazer do texto. Hoje, reconheço que fui uma máquina de acreditar. Talvez – lá se foram robustos anos – por então saber tão pouco da vida. Não que agora saiba muito mais.

Vindos os dissabores e as frustrações, decidi matar a sonhadora que insistia em mim. Lenta, mas aplicadamente, fui me tornando uma pragmática. Ou, melhor imagem, uma Santa Tomé. Tinha que acontecer primeiro para eu crer depois. É claro, foi uma forma de reagir à dor das ilusões perdidas.

Mas de uns meses para cá, ando reorganizando o olhar para mim mesma. Tenho percebido que sem sonho não há vida, do mesmo modo que sem água não há barco. O sonho não precisa ser desvairado ou imenso. Ele pode ser como a esperança. Algo que raciocinamos que pode dar certo ou não, mas sonhamos que dê.

Tenho feito o exercício de levantar a cabeça. Espichar o olhar para o outro lado do rio. Perguntar e perguntar o que haverá na outra margem. Porque sempre existirá alguma coisa além do que enxergamos. Essa coisa não precisa ser nada fabulosa, como um unicórnio ou um dragão. Nem carece ser colorida ou perfumada.

Necessita apenas que bagunce de forma boa meu mapa mental. Algo que faça valer a pena pôr o barco a navegar. O que é igual a voltar a sonhar. Afinal, o que nos alegra é atravessar. É o movimento que nos mantêm respirando.

Fonte: Yahoo

+ sobre o tema

Que escriba sou eu?

Tenho uma amiga que afirma que a gente só prova...

Grupos de periferia se articulam em São Paulo para defender democracia e Dilma

Após violência contra militantes de esquerda em manifestações, Cooperifa...

Vox/Band/iG: Dilma cai de 56% para 54%

Candidata petista varia para baixo pela primeira vez dentro...

Movimento negro cobra auxílio emergencial de R$ 600 e vacina para todos pelo SUS

Nesta quinta feira (18), a Coalizão Negra por Direitos,...

para lembrar

LITERATURA: 5º FAN 2009

OMO-OBA: HISTÓRIAS DE PRINCESAS Kiusam Oliveira OS NOVES...

Carta à hebraica

Ter recebido palestrantes de esquerda não é desculpa para...

Combate à desigualdade exige mudanças estruturais

Oxalá em 2012 haja maior participação popular nas mobilizações...

Produção de Madonna cancela encontro com AfroReggae, diz coordenador

Fonte: Folha OnLine-O coordenador da ONG AfroReggae, José Júnior,...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=