Documentário “Ôrí” discute cultura negra no Brasil

Fonte: Írohín Jornal Online

 

Foto: Reprodução/ Documentário “Ôrí”

SÃO PAULO (Reuters) – O documentário “Ôrí”, lançado nos cinemas em 1989, volta às telas de São Paulo e Rio de Janeiro nesta sexta-feira com poucos traços de envelhecimento.

Fruto de um trabalho colaborativo da cineasta e socióloga Raquel Gerber e da historiadora Beatriz Nascimento, morta em 1995, o filme é um decalque das discussões sobre a cultura negra durante as décadas de 1970 e 1980, que ainda parecem surpreendentemente atuais no país.

Resultado de 10 anos de pesquisa, o documentário está longe de ser usual. Raquel Gerber realizou um trabalho impressionista, que mescla conteúdo espiritual, posicionamento político e devaneios acadêmicos. O trabalho é um mosaico narrativo bem construído, que foge de mensagens panfletárias no final da projeção.

Para montar esse quebra-cabeça, a diretora mostra depoimentos de pessoas-chave do movimento negro, em filmagens realizadas em vários Estados brasileiros (Rio de Janeiro, São Paulo, Alagoas e Minas Gerais) e na África Ocidental (Costa do Marfim e Senegal). Em especial, os acalorados debates realizados durante a Quinzena do Negro, promovida pela Universidade de São Paulo (USP), em 1977.

Apesar de não defender um ponto de vista, “Ôrí” não deixa de ser poeticamente provocador. Com textos escritos e narrados por Beatriz Nascimento, a obra concatena a ideologia dos Quilombos (desde a África Centro-Ocidental até sua recriação no Brasil) aos discursos defendidos pelos mais diferentes grupos sociais. No fim, Beatriz chega a dizer: “O movimento não é negro, mas da história.”

Ôrí, um termo de origem yorubá, povo da África Ocidental, significa “cabeça”, a consciência negra na sua relação com o tempo, a história e a memória.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

Matéria orginal: Documentário “Ôrí” discute cultura negra no Brasil

+ sobre o tema

O imperialismo e a hipocrisia da xenofobia britânica

A colonização britânica na visão de um artista sul-africano estampando...

Viviendas garífunas

 Origem: Stanford.edu Tradicionalmente, las casas se construyían de...

Cooperifa participa de Semana da Literatura Marginal em Berlim

Sérgio Vaz leva poesia da Cooperifa, coletivo do Capão...

para lembrar

Por que precisamos provar que a música negra é negra?

O Jazz Bebop foi uma expressão intelectual e politizada,...

Paris: ‘Um Fogo Negro num País de Brancos’

O primeiro negro numa aldeia belga nos anos 90 Paris:...

Quem foi Joaquim Pereira Marinho, o traficante de escravos que virou estátua na capital mais negra do Brasil 

Quando manifestantes antirracistas retiraram a estátua do britânico Edward...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=